Com alta demanda, Sine reabre na segunda para auxiliar no pedido de seguro-desemprego - Notícias

Versão mobile

 
 

Crise do coronavírus07/05/2020 | 21h31Atualizada em 07/05/2020 | 21h31

Com alta demanda, Sine reabre na segunda para auxiliar no pedido de seguro-desemprego

Até 24 de abril, ao menos 44 mil trabalhadores perderam emprego com carteira assinada no RS

As agências do Sistema Nacional de Emprego (Sine) voltarão a atender de forma presencial no Rio Grande do Sul a partir da próxima segunda-feira (11). Fechadas desde o início do distanciamento social, as unidades receberão prioritariamente beneficiários do seguro-desemprego que estão com dificuldade para o encaminhamento das solicitações online.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

De acordo com a secretária estadual do Trabalho, Regina Becker, há uma grande demanda de trabalhadores demitidos em busca do benefício em função da crise econômica desencadeada pelo coronavírus. O atendimento vinha sendo somente online, mas muitas pessoas não conseguiram enviar os documentos por e-mail. 

— Dentro do que nos compete, em momento de tanta necessidade, não podemos só atender via sistema da Caixa ou e-mail. O sistema apresenta problemas, documentos não conseguem ser registrados e a maioria das pessoas não tem conhecimento e experiência com meios digitais — detalhou. 

Para evitar aglomeração, o trabalhador deve agendar o atendimento na agência pelo telefone (51) 3284-6000. Para esclarecimento de dúvidas, o telefone 158, do governo federal, também está disponível. Há ainda o aplicativo Carteira de Trabalho Digital ou o site do Governo Federal

Leia também
Crise no transporte pode fazer EPTC mudar licitação dos ônibus da Capital
Mesmo com mudança no pagamento do auxílio emergencial, presidente da Caixa admite: "Haverá filas"
Pequenos e médios comércios reabrem as portas em Porto Alegre

Segundo a secretária, a Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS) realizou reuniões com servidores e delegados regionais para acertar a volta ao trabalho. Devem retornar os servidores do Sine que não estão no grupo de risco. Eles irão usar equipamentos de proteção, e o ambiente deve ser controlado. 

A Secretaria do Trabalho e Assistência Social informa que até o último levantamento, realizado em 24 de abril, 44 mil gaúchos perderam o emprego com carteira assinada em março e abril, como reflexo da crise. Ainda não há informação sobre o impacto na informalidade nem um estudo mais recente. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca