Saiba como driblar a ansiedade antes e durante uma entrevista de emprego - Notícias

Versão mobile

 
 

MERCADO DE TRABALHO04/11/2020 | 11h34Atualizada em 04/11/2020 | 11h34

Saiba como driblar a ansiedade antes e durante uma entrevista de emprego

O DG ouviu especialistas em recrutamento que explicam estratégias para controlar a sensação

Saiba como driblar a ansiedade antes e durante uma entrevista de emprego DisobeyArt/stock.adobe.com
Conversas virtuais são comuns atualmente Foto: DisobeyArt / stock.adobe.com

É normal sentir ansiedade antes de situações importantes ou desafiadoras, como o momento de concorrer a uma vaga no mercado de trabalho. O sentimento é comum tanto para quem está buscando o primeiro trabalho quanto para quem está tentando se recolocar no mercado ou, ainda, para quem está buscando aquela vaga que sempre sonhou. 

– Todos ficam nervosos, até quem está bem preparado, pois a ansiedade é inevitável. Falar para si mesmo que não vai sentir, não existe. Mas podemos usar ansiedade ao nosso favor. Se o candidato tiver um nível equilibrado de ansiedade, a sensação pode deixá-lo sempre em alerta e também evita que a conversa seja levada para um lado que não é o objetivo da entrevista. Nem usada para mais, nem para menos, é preciso controlar o nível de ansiedade – afirma Katia Almeida, especialista em Gestão de Pessoas do PUC Carreiras.  

LEIA MAIS
Há vagas: novembro inicia com mais de 2,3 mil oportunidades de emprego
Jovens da periferia dão dicas para driblar os obstáculos na busca por emprego
Aproveite oportunidades de trabalho em aplicativos

Devido ao contexto atual econômico e também de pandemia, a ansiedade pode ser ampliada. Em nível elevado, a sensação de medo pode trazer prejuízos no dia a dia, como o desejo de evitar situações.

– É uma fase complicada para todos, pois a pandemia causou muitas demissões. É natural que, agora, que a economia está começando a caminhar, as pessoas fiquem ansiosas na hora de concorrer a uma vaga. A ansiedade é um excesso de futuro, ter algo que não chegou ainda. E não tem receita de bolo para evitá-la, mas há técnicas que podem ajudar a controlar – explica Helenice Resende, psicóloga e coordenadora de Recrutamento e Seleção do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube).

Confira as dicas das especialistas

Katia Almeida, especialista em Gestão de Pessoas do PUC Carreiras, orienta:

/// Invista no seu autoconhecimento – É uma ferramenta poderosa a ser explorada. Se a pessoa se conhece bem, ela saberá seus pontos fortes e limitações. 

/// Comportamentos no papel – Faça uma lista de comportamentos bem desenvolvidos e aqueles que ainda precisam se desenvolver. Com a lista pronta, é muito mais fácil identificar o que precisa ser melhorado e também é possível colocar metas. 

/// Atenção aos feedbacks (retorno, avaliação, em tradução livre) – Ter o retorno sobre os comportamentos é uma forma de saber se você está desenvolvendo-os bem. Dá para pedir um feedback no atual emprego ou para os familiares. Pergunte em quais aspectos você se sai bem. Por exemplo, se é uma pessoa organizada ou se é daquelas que deixa para fazer as tarefas depois. É importante aprender com essa cultura do feedback, pois é uma forma de ter mais segurança. O comportamento técnico é medido por resultados do trabalho, mas o modo de se relacionar e a forma como a pessoa trata os clientes e colegas, só é possível medir pelo feedback. 

/// Explore o mercado de trabalho – Pesquise sobre a empresa e sobre o cargo. Use o LinkedIn para ver quem são os funcionários e conferir as habilidades exigidas para a vaga. E se tiver a oportunidade de conversar com uma dessas pessoas, pode ser que ajude no preparo. 

/// Formalidade – Quando eu entrevisto alguém, sempre falo que é para pensar que é uma conversa normal. Mas não se pode deixar a formalidade de lado. 

/// Mantenha sua autenticidade – Não adianta inventar competências e experiências, pois a entrevista é sempre uma via de mão dupla. Ou seja, a empresa tem que querer o candidato e o candidato tem que sentir vontade de ingressar na empresa. Se qualquer competência não for sincera ou for inventada, isso será visto no dia a dia. Além disso, sugiro não entrar numa oportunidade que não trouxer felicidade. 

Helenice Resende, psicóloga e coordenadora de Recrutamento e Seleção do Nube, sugere:

/// Preparação com antecedência – Buscar informações sobre a empresa e entender o funcionamento pode antecipar como serão as perguntas do entrevistador. Ficar pensando se vai dar certo acaba atrapalhando. O preparo pode ser a partir do treino de algumas respostas, na frente do espelho, na frente dos familiares. Não é decorar, mas pensar nas possibilidades de mostrar potencial. O ideal é que o candidato reserve alguns minutos do dia para se preparar para o evento. 

/// Meditação – A meditação prende a nossa mente no presente. O candidato deve lidar com uma coisa de cada vez. Se a entrevista é no dia seguinte, não fique adiantando a preocupação. Meditar é sentar em um local reservado e ficar em silêncio, pensando em coisas que não exigem do cérebro. Como, por exemplo, focar atenção em partes do seu corpo, ao longo de um período, faz com que a mente fique mais descansada e mais calma. Bem como técnicas de respiração. A mente de quem sofre com a ansiedade não para de pensar. Há diversas técnicas na internet que ajudam a por em prática a meditação. 

/// Planejamento – Montar um plano serve para não esquecer das falas e pontos que são importantes de serem mencionados. Depois do planejamento, é ideal que a mente não fique focada nisso, para evitar pensamentos de autossabotagem. No blog do Nube há muitos conteúdos sobre o mercado de trabalho, como se preparar para entrevistas, que também podem ser úteis para o candidato. 

/// Retorno da vaga – No final da entrevista, é normal o recrutador dizer em quanto tempo será dado o retorno. Mas se passar o prazo e não houver resposta, dar uma ligadinha não é ruim. Faça isso sem tom de cobrança, para demonstrar que ainda existe o interesse. Uma pergunta não ofende. O que fica chato é ligar no dia seguinte, antes do prazo para retorno ter acabado, pois pode parecer desespero.

LEIA MAIS
Conhece o LinkedIn? A rede social pode te ajudar a encontrar um emprego
Empreendedora dribla a crise vendendo pães e bolos na janela do seu apartamento 

Lembrete para os processos seletivos online

Com a pandemia, entrevistas com candidatos foram adaptadas para o formato online, por videochamada. Katia Almeida dá dicas importantes para esse momento: 

– O candidato deve deixar a câmera aberta. Além disso, deve se preocupar com o ambiente na hora da entrevista, priorizar um lugar mais tranquilo e reservado. Ele deve lidar da mesma forma que acontece em uma entrevista presencial, estar arrumado, preparado e organizado. Perguntar se o som do microfone e se a imagem estão em boas condições, demonstra que está preocupado com que os outros estão vendo e ouvindo, então é sempre legal questionar antes de começar a falar. 

Por último, Katia explica que em dinâmicas e entrevistas coletivas é essencial respeitar os colegas:

– Use seu tempo para explorar suas competências, não interrompa outros candidatos. Isso é um dos aspectos avaliados. A liderança não é mostrada somente enquanto o candidato fala, mas também enquanto ouve os demais.

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias do Diário Gaúcho 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros