Família Souza da Silva, de Guaíba, faz aglomeração virtual para celebrar o Carnaval  - Notícias

Versão mobile

 
 

Encontro de gerações19/02/2021 | 06h00Atualizada em 19/02/2021 | 06h00

Família Souza da Silva, de Guaíba, faz aglomeração virtual para celebrar o Carnaval 

Com mais de 180 integrantes, os Souza da Silva se dividiram em três blocos e apresentarão sambas-enredos que fazem referência à história da família

Família Souza da Silva, de Guaíba, faz aglomeração virtual para celebrar o Carnaval  Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Carmen com a foto da família reunida Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

O Carnaval ainda não acabou para a família Souza da Silva, de Guaíba. Com mais de 180 integrantes, que compartilham o mesmo sangue, a festa em família teve que ser adaptada.  

– Como nós já fazemos eventos, a exemplo do encontro no final do ano e na Páscoa, no Carnaval também nos reunimos. Em 2018, organizamos um baile. Mas, agora, com a pandemia, se tornou impossível aglomerar. Então, dei a ideia de fazermos o Carnaval Virtual da família SS – conta a comissária de polícia aposentada Carmen Lúcia da Silva, 59 anos.  

Os encontros ocorrem desde 2015, e a história da família já foi contada pelo Diário Gaúcho. Os descendentes de Dorvídio Corrêa da Silva (1900-1971) e Celina Souza da Silva (1914-1972) se reúnem em Guaíba, nos finais de ano, para relembrar fatos e memórias da família. Dos 10 filhos do casal, seis estão vivos. A junção fica por conta dos netos, bisnetos e tataranetos. Mas, desde o ano passado, essa reunião só acontece por meio das telas, virtualmente.  

Organização

Conforme Carmen, a proposta do Carnaval em família é mais parecida com uma gincana. Amanhã, todos se encontram por meio de uma videochamada para festejar em três blocos organizados, cada um com seu samba-enredo. 

LEIA MAIS
Em uma semana, Bota-Fora recolhe 19,1 toneladas de resíduos em Porto Alegre
Projeto voluntário arrecada materiais escolares para crianças em Porto Alegre
"Dá até para perder uma criança aqui", brinca frequentadora sobre grama alta em parque de Porto Alegre

Durante as semanas que antecederam o evento, uma comissão enviou atividades para os outros membros, que serão apresentadas ao som de marchinhas carnavalescas. Máscaras, fantasias, símbolos dos blocos e alegorias estavam entre os adereços a serem produzidos. O samba-enredo, que pode ser paródia, segundo Carmen, deve contar com, no mínimo, cinco termos que fazem referência à história da família.  

– É mais como uma brincadeira, para curtir, e de baixo custo. Em função de estarmos em casa, tudo foi feito por nós, com EVA. O bloco vencedor será aquele que tiver mais componentes presentes – explica Carmen.  

Os núcleos familiares se dividiram nos blocos “Cê Acredita”, “Tropa do Elíbio”, em homenagem a um integrante já falecido, e “Me Covid”, um trocadilho com o momento atual. Cada  um deles tem reis e rainhas.  

– No mínimo, cada bloco tem 20 pessoas. Mas, como será surpresa o número de componentes, não sabemos ao certo o total de participantes – detalha Carmen. 

Tema-enredo é a história de Dorvídio e Celina

Baterista em escolas de samba desde muito novo, o técnico em Segurança do Trabalho Marco Aurélio da Silva Pacheco, 46 anos, saiu da zona de conforto para compor o samba-enredo do bloco “Cê Acredita”. Marco nasceu em época de Carnaval e acredita que foi por isso que seu envolvimento com a festa começou. Em relação à família, ele diz que a celebração é mais uma atração para que os membros consanguíneos, amigos e admiradores se encontrem.  

– Sempre fui envolvido em Carnaval e tocava na bateria de escolas de samba, em Guaíba e em Porto Alegre, participando como carnavalesco apaixonado. Neste ano, para evitar a aglomeração, encontramos uma maneira de nos reunirmos – comenta.  

Segundo Marco, para a elaboração do samba-enredo, das fantasias e alegorias, é necessário um tema-enredo, que não poderia ser outro além da história da família.  

– Não sou compositor. Mas, eu, na mesa de casa, com a minha esposa e a minha filha, vi as palavras-chaves que a comissão mandou, que devem estar nas frases e no samba-enredo. Com três delas, montei um refrão. Esse momento me deu um gosto tão bom, que montei o samba-enredo inteiro. Não sou cantor, mas já apresentei para o restante do bloco – afirma Marco, pai do rei do bloco “Cê Acredita”, que leva o mesmo nome. 

“É só alegria”, diz Carmen

Carmen destaca que, a cada celebração da família Souza da Silva, um novo membro é apresentado: pode ser um bebê ou um novo romance. Esse é um dos momentos mais esperados, e não será diferente no virtual.   

– A gente aproveita para lembrar das palhaçadas, é só alegria. Nunca conseguimos reunir 100% dos familiares, mas procuro manter o contato como todos. E vamos aglomerar, mesmo que virtualmente – afirma.

Produção: Caroline Tidra

Leia mais notícias do Diário Gaúcho 


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros