Carro de projeto social  é consumido por incêndio em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu  Problema  é Nosso21/07/2021 | 10h10Atualizada em 21/07/2021 | 10h25

Carro de projeto social  é consumido por incêndio em Porto Alegre

Dois agentes da EPTC se mobilizaram para salvar as doações

Carro de projeto social  é consumido por incêndio em Porto Alegre Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Carro era utilizado pelo projeto Portas Abertas para distribuir roupas, cobertores, material escolar e alimentos Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

O fogo consumiu, há uma semana, o único meio de transporte do projeto Portas Abertas, criado por Leirene dos Santos Fontes, 56 anos. A iniciativa leva roupas, cobertores e alimentos a comunidades carentes da Capital e de outros municípios da Região Metropolitana, como Viamão e Alvorada. No Dia das Crianças e no Natal, por exemplo, brinquedos são entregues às crianças, contempladas ainda com material escolar para o ano letivo.

Leirene relembra em detalhes o momento em que notou algo incomum no veículo, um Renault Clio ano 2001, quando parou no sinal vermelho do cruzamento da Avenida Nilo Peçanha com a Rua Antônio Carlos Berta, no bairro Jardim Europa, na zona norte de Porto Alegre, na tarde de 13 de julho:

– Paramos na sinaleira fechada e ouvi um barulho, “puf”. Olhei para o capô, vi fumaça e na hora já disse para a minha filha sair. Sorte que o trânsito estava todo parado na Nilo naquele momento.

Leirene, carro incendiado,  projeto social<!-- NICAID(14839457) -->
Leirene e a filha não se feriramFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A filha e a condutora atravessaram a rua e, em instantes, outros motoristas se uniram para tentar apagar o fogo, que parou o trânsito naquele ponto. Uma dupla de agentes da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) bloqueou a via – um deles, com um extintor, chegou a debelar parte das chamas, mas o incêndio ganhou força novamente e destruiu o carro.

Porta-malas

Da calçada, a condutora gritou para um dos servidores, que vasculhava o porta-malas com a intenção de salvar itens que tivessem valor para a proprietária:  

– “Moço, não se arrisque”, eu disse, “o que eu tenho de valor está aqui comigo, é a minha filha”. Mesmo assim, ele abriu o porta-malas e tirou os quatro sacos de roupa e os cobertores. Nunca vou esquecer os olhos desse agente, que me olhou e disse: “A senhora não faz ideia da dor no coração que estou sentindo. Quando tirei as coisas do carro, eu vi que a senhora trabalha com doações” –  conta.

O material foi salvo e levado à casa de Leirene, no bairro Vila Ipiranga, e já entregue às famílias acolhidas pelo projeto. Sem o veículo, ela foi auxiliada por outros voluntários, que fizeram o transporte gratuitamente. Policiais militares e bombeiros também participaram da ação.

Leia mais
Um ano e meio de espera por conserto de ponte na Lomba do Pinheiro
Ceee realiza substituição de Postes na zona sul da Capital
 Irmãs buscam apoio para participar de campeonato de jiu-jitsu no Rio de Janeiro  

Gratidão

Os dois agentes da EPTC que atenderam a ocorrência são Bruno Souza da Silveira, 39 anos, que atua na prefeitura desde 2006, e seu colega de ronda, que também participou do socorro, Diego de Lima Basso, 40 anos. A dupla enviou um áudio a Leirene, agradecendo as palavras de carinho da voluntária.

– É muito bom saber que, apesar do infortúnio, a dona Leirene está bem. Diego e eu gostaríamos de agradecer o reconhecimento, e sentimos muito por não ter conseguido ajudar mais – relatou Bruno, em nome dos dois.

Os servidores iniciaram uma vaquinha com outros colegas. Pretendem entregar doações para que ela não fique desassistida.  

– O que a gente pede é que ela não desanime, pois, apesar de a vida nem sempre ser justa, a empatia e a solidariedade com o próximo serão recompensadas. Estamos torcendo muito pela senhora – finalizou o fiscal, no mesmo áudio.

Leirene retribuiu:  

– A gente trabalha com amor e caridade, faz isso sem esperar nada em troca. Mas o bem é assim, ele circula, e isso é muito bonito de ver. Passei a acreditar ainda mais na humanidade.

Divulgação 

A notícia sobre a queima do carro do projeto foi publicada nesta segunda-feira no site GZH, e, desde então, conta Leirene, a divulgação das ações sociais foi muito positiva – apesar da perda do veículo. Amigos e até desconhecidos passaram a procurá-la com o objetivo de realizar doações.

– Tivemos um aumento muito grande no número de seguidores nas redes sociais e também recebemos algumas ligações. Eu não quis fazer vaquinha para recuperar o carro. Meu interesse é que as pessoas conheçam e contribuam com o projeto – finalizou Leirene.

Como ajudar

/// O projeto Portas Abertas está no Instagram: @proj.portasabertas.
/// O contato com Leirene pode ser feito também pelo telefone/WhatsApp (51) 99987-2204.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros