Irmãs buscam apoio para participar de campeonato de jiu-jitsu no Rio de Janeiro   - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso15/07/2021 | 09h54Atualizada em 15/07/2021 | 09h54

 Irmãs buscam apoio para participar de campeonato de jiu-jitsu no Rio de Janeiro  

Alanis e Cíntia, de Canoas, precisam arrecadar R$ 2 mil para participar de uma seletiva que ocorre no fim de julho 

 Irmãs buscam apoio para participar de campeonato de jiu-jitsu no Rio de Janeiro   Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Cíntia (E) e Alanis (D) querem ajuda para competir fora do RS Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Nem mesmo a pandemia foi capaz de afastar as irmãs Alanis Macedo Santos, 14 anos, e Cíntia Macedo Santos, 11, do jiu-jitsu. Moradoras de Canoas, na Região Metropolitana, elas convenceram os pais a adaptar a casa para que pudessem continuar praticando o esporte mesmo durante o isolamento social que o coronavírus impôs à rotina:

– Com a pandemia tudo parou, menos as gurias. Eu deixei de ter a sala de casa para que elas pudessem continuar aprimorando o que já sabiam. Então, o sofá foi para o quarto e o tatame usado que compramos passou a ocupar o lugar dele. Ali, elas treinavam um dia inteiro, se a gente deixasse – conta orgulhosa a trabalhadora doméstica Nádia Macedo, 42 anos, mãe das adolescentes. 

Esta foi apenas mais uma das adaptações na rotina da família em virtude do sonho das irmãs de viver do jiu-jitsu. Nádia conta que desde que Alanis começou a lutar, há quatro anos, muitos sacrifícios foram feitos. Em 2020, o Diário Gaúcho contou a história da atleta, que enfrentava dificuldades para continuar participando de campeonatos fora da sua cidade por falta de patrocínio. A família já fez a venda de uma moto e de um notebook para financiar a participação de Alanis em campeonatos.

Leia mais
Jovem lutadora de Canoas busca apoio para seguir no esporte
Após ter sua história contata pelo DG, Alanis ganha dois quimonos para seguir lutando
Pacientes estão há dois anos sem medicamento para fibrose cística no RS

Novo desafio 

Com a flexibilização de algumas atividades no país, os torneios também voltaram a ocorrer. No entanto, as dificuldades financeiras permanecem. O desafio atual encarado pelas irmãs é o AJP Tour 600 de Abu Dhabi, uma seletiva que ocorrerá entre os dias 31 de julho e 1º de agosto, no Rio de Janeiro. A família recebeu uma doação de R$ 1 mil para participar do evento. No entanto, ainda faltam R$ 2 mil para que as irmãs possam ir. O valor irá cobrir os custos da mãe e das duas irmãs durante os dias do evento na cidade. 

– Os campeonatos longe são sempre os mais difíceis. Para esse específico do Rio de Janeiro, eu tinha conseguido a hospedagem por um valor mais em conta, mas a menina que ia junto não vai mais, e assim acabamos perdendo – explica Nádia.  

Apesar de todos os obstáculos, a trabalhadora doméstica tem convicção que o futuro das gurias é brilhante. Além disso, a dedicação de Alanis parece ter inspirado Cíntia que, segundo a família, antes dos 10 anos já começou a seguir os passos da irmã: 

– Eu digo pra elas: da frente do valão para o mundo. Sei que elas terão um futuro diferente do meu por causa do esporte. Tu sabe que é bem difícil. Vemos as gurias acordando cedo, a Alanis, por ser mais velha, treina muito, ela é pura dedicação. Mas é muito nítido o amor delas pelo esporte – afirma a mãe. 

Gurias tem rede de apoio 

A nutricionista e proprietária da academia onde Alanis e Cíntia treinam, Camila Marini, conta como é acompanhar o desenvolvimento das irmãs:  

– Ano passado, por uma questão de logística, elas vieram para a nossa academia. Apesar de muito nova, A Alanis tem um foco e uma clareza de objetivo muito grande. Ela é extremamente dedicada, tem um jiu-jitsu bem técnico. A Cíntia ainda é uma criança, mas mesmo assim ela segue muito os passos da Alanis, isso fica visível nos treinos.   

Ainda de acordo com a nutricionista, a rede de apoio das gurias é um diferencial que possibilita que elas continuem almejando o sucesso. 

– O pai e a mãe são muito presentes, eles acompanham e fazem de tudo pra ajudar. Elas têm uma rede de apoio muito legal e fazem por merecer cada conquista. Não tenho dúvidas que a gente vai ouvir falar muito delas nessa modalidade de esporte.

Como ajudar 

/// Para doar qualquer quantia em dinheiro ou oferecer patrocínio para Alanis e Cíntia entre em contato por meio do WhatsApp: (51) 99851-5892.

Produção: Kênia Fialho  

Leia mais matérias na seção Seu Problema é Nosso 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros