Para enfrentar enchentes e gerar renda, moradoras da Ilha do Pavão costuram capas que viram bolsas impermeáveis com panos de guarda-chuvas - Notícias

Versão mobile

 
 

"Casulos"02/07/2021 | 19h15Atualizada em 04/07/2021 | 12h59

Para enfrentar enchentes e gerar renda, moradoras da Ilha do Pavão costuram capas que viram bolsas impermeáveis com panos de guarda-chuvas

Acessório é vendido a R$ 30. Organizações não-governamentais que distribuem cobertores à população em situação de rua são os principais clientes

Para enfrentar enchentes e gerar renda, moradoras da Ilha do Pavão costuram capas que viram bolsas impermeáveis com panos de guarda-chuvas Lauro Alves / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS / Agencia RBS

A pedagoga Sandra Ferreira, 52 anos, mora na Ilha do Pavão, uma das regiões mais pobres de Porto Alegre, há uma década. Não é nativa do bairro Arquipélago, mas aprendeu que, via de regra, o inverno traz consigo enchentes que destroem os móveis das casas.

Para enfrentar a estação recém iniciada, Sandra e outras voluntárias da Associação Vitória da Ilha do Pavão organizaram um projeto que tem como objetivo amenizar as perdas. A ação funciona de duas formas: gerando renda e protegendo os bens de quem ficou sem teto. Elas desmontam guarda-chuvas quebrados e costuram os tecidos no formato de grandes colchas impermeáveis. Dobrada, a capa vira uma bolsa, usada para proteger os itens pessoais.

São necessárias nove sombrinhas para atingir o tamanho, de quase dois metros, suficiente para cobrir mesmo as pessoas mais altas. São oito panos para o corpo e mais uma recortada como touca.  

Leia mais
Um projeto para valorizar os músicos de apoio
No lugar de lixo e insegurança, moradoras de Alvorada criam horta comunitária
Troque a Fome por Flor: projeto da Capital gera renda para moradores de rua

Chamadas de “casulos”, as vestimentas são vendidas a R$ 30. Tem como clientes principais as organizações não-governamentais que distribuem cobertores à população em situação de rua. Parte acaba sendo entregue na própria comunidade, uma preparação para a época de cheia dos rios, entre agosto e outubro. 

— Muitas vezes a pessoa tem um cobertor grande, mas que molha e não serve mais. Com o casulo, ele pode se tapar e se protege da chuva — explica Sandra, que além de viver na ilha, preside a associação. 

Iniciado há cerca de dois meses, o projeto foi levado até o Arquipélago pela ONG Em Comum. Já a ONG Misturaí, parceira da associação, emprestou as máquinas para coser os casulos. Atualmente, a ação é tocada por três costureiras na ilha. A matéria-prima é doada por quem auxilia os ribeirinhos ou pelos papeleiros da região. 

Noêmia Severo, 54 anos, diz ser esta a única forma de sustentar os quatro filhos que ainda vivem com ela — outros quatro já saíram de casa. Em um dia, a mulher afirma finalizar três casulos. Além do dinheiro, garante ter alcançado um sonho de criança: aprender a costurar. 

— Eu faço as capas com muito amor. Tenho o pagamento e ainda sei que vai ajudar outras pessoas. Agora que me empolguei não quero mais deixar a costura — diz. 

Com o lema “lixo zero”, os arames de metal e os plásticos retirados da sombrinha têm como destino os galpões de reciclagem do bairro. 

Parte da verba obtida pela venda mantém a associação, e outra parcela vai para as trabalhadoras. 

— Antes de ser proibido, eu saía de casa com o carrinho às 6h, com chuva ou com sol. Isso aqui tem me ajudado muito — explica a outra costureira, Cristina Cardoso, 34 anos. 

A associação aceita todo tipo de doação, desde alimentos até produtos de higiene. Nos últimos dias, o prédio localizado na Rua A, quase embaixo da BR-116, ganhou o grafite de um artista local, que estilizou um pavão colorido na fachada. Janelas e portas foram pintadas de violeta. Uma caixa d’água é o bem mais recente, celebrada por Sandra como se fosse em sua própria residência. 

—  É tudo muito difícil aqui — complementa. 

Contato para doações, compra dos casulos ou qualquer outra ajuda para a Associação Vitória da Ilha do Pavão pode ser feito pelo telefone (51) 98192-8381, número que também é WhatsApp.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros