Há dois anos sem telhas, escola da Capital precisa cancelar aulas em dias de chuva - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso10/09/2021 | 10h44Atualizada em 10/09/2021 | 10h45

Há dois anos sem telhas, escola da Capital precisa cancelar aulas em dias de chuva

Em 2019, o vento de um forte temporal arrancou parte da estrutura da escola

Há dois anos sem telhas, escola da Capital precisa cancelar aulas em dias de chuva Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Sem conserto, o problema tem prejudicado a rotina do local Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Devido à forte chuva que caiu na madrugada desta quarta-feira, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Jardim Vila Nova, em Porto Alegre, não pôde atender seus alunos. Desde 2019, a escola está com parte de sua estrutura danificada em função de um temporal que ocorreu naquele ano e arrancou telhas, deixando a área exposta. A comunidade escolar reclama que, quase dois anos após o  incidente, o problema ainda não foi resolvido. 

O buraco que ficou, onde deveriam estar as telhas, localiza-se entre o saguão e a escadaria que leva para o andar onde ficam as salas de aula dos anos iniciais. 

LEIA MAIS
Em São Leopoldo, grupo oferece oficinas gratuitas de teatro
Moradores Restinga se mobilizam para instalação de brinquedos inclusivos
Escola municipal da Capital incentiva valorização da cultura indígena

Barbara de Cristo, 50 anos, é professora. Ela conta que, nos dias de chuva, entra-se no prédio com guarda-chuva. O saguão fica alagado. Para subir as escadas, a mesma situação. Barbara fala que, por duas vezes, escapou de acidentes. 

– Como o chão fica úmido, dependendo do sapato que tu estás usando, escorrega. Eu quase cai das escadas, precisei me segurar no corrimão. No saguão, também escorreguei e me segurei na parede. É um absurdo trabalhar em um lugar tão insalubre. Por mais que as crianças não entrem lá em dias de chuva, nós precisamos cumprir o horário de trabalho – desabafa. 

Interrupção

No final de agosto, o líder comunitário Maurício Melo, 46 anos, recebeu um áudio de seu filho Matheus Borges Melo, seis anos. O menino é aluno da escola. A mensagem foi enviada à reportagem e, nela, o estudante relata: “Pai, eu não fui pra escola hoje por causa da chuva, porque tá chovendo dentro da escola. Não tem ninguém para arrumar lá, então a gente teve que voltar pra casa”.

Maurício sente-se aborrecido pelo fato de, mesmo com a escola fechada no ano passado em função da pandemia, o problema não tenha sido resolvido: 

– Estudei a vida toda em colégio público estadual e fico indignado de ver esse desleixo. Foi em 2019 que aconteceu isso (o dano no telhado), e, até agora, nada. 

O processo para a realização do conserto já está em andamento. Porém, segundo Barbara, quando os profissionais contratados foram à escola, no início do  ano, a situação já havia piorado. Na primeira licitação, constava a manutenção do telhado, mas, como a estrutura ficou exposta à chuva por um longo período, percebeu-se que as madeiras do teto também foram danificadas. Com isso, havendo a necessidade de ajustes na contratação do serviço, ele não foi realizado.

Sem prazos para realizar conserto

Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), foi reservado o valor de R$ 14,1 mil para a realização da reforma da cobertura do prédio. Em nota, a pasta afirma que a obra está em fase de elaboração do contrato e que, após essa etapa, o serviço será iniciado. Não foram informados prazos para a realização.

Ao ser questionada sobre a demora para a conclusão do serviço, tendo em vista que o dano no telhado ocorreu em 2019, a secretaria não apresentou uma explicação. Nem para o questionamento sobre o custo inicial do trabalho, antes de ocorrerem os danos na estrutura de madeira do telhado.

Produção: Émerson Santos


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros