Em Sapucaia do Sul, moradores pedem mais passarelas na RS-118 - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso01/12/2021 | 09h47Atualizada em 01/12/2021 | 11h35

Em Sapucaia do Sul, moradores pedem mais passarelas na RS-118

Vizinhos do bairro Capão da Cruz organizaram um abaixo-assinado que contou com cerca de 250 assinaturas

Em Sapucaia do Sul, moradores pedem mais passarelas na RS-118 Reprodução / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Moradores têm de atravessar durante movimento de veículos Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Os problemas enfrentados por quem mora às margens da RS-118 já foram apresentados diversas vezes em reportagens do Diário Gaúcho. Desde que foi finalizada a duplicação, em 23 de dezembro de 2020, alguns desses transtornos, como buracos, foram resolvidos na maioria dos trechos. No entanto, outras demandas seguem sem ser atendidas. Uma delas é o pedido para que sejam construídas mais passarelas para travessia de pedestres. Em junho, moradores do bairro Capão da Cruz, em Sapucaia do Sul, fizeram um abaixo-assinado que contou com cerca de 250 assinaturas. 

A solicitação dos moradores é para que uma passarela seja erguida entre os quilômetros 2 e 3. Antes da duplicação, havia um equipamento que era utilizado, principalmente, para acessar serviços básicos, como posto de saúde, escolas e o centro da cidade. Desde dezembro do ano passado, os moradores precisam fazer um retorno que exige mais tempo de deslocamento. Outra alternativa, que já resultou em 11 óbitos somente em 2021, é se arriscar atravessando a rodovia.

LEIA MAIS:
Operação flagra 600 veículos por excesso de velocidade na RS-118
Comando Rodoviário da Brigada Militar apreende motocicleta com quase R$ 60 mil em multas
RS-118: Um mês após inauguração, moradores contam o que mudou na região

Insegurança

A funcionária pública Fabiane de Souza Fumagalli Perin, 57 anos, mora no bairro desde 1992. Ela conta que fez parte da associação de moradores durante 16 anos. Por isso, até hoje é procurada pelos vizinhos para fazer contato com a gestão pública. Segundo ela, quando eles decidiram começar o abaixo-assinado, já havia ocorrido três mortes por atropelamento.

– Pelo que soubemos, hoje esse número já aumentou. Queremos segurança para realizar os deslocamentos – conta a servidora. 

O documento foi protocolado no dia 4 de junho e pode ser identificado pelo número 9812/2021. O pedido dos vizinhos é que a prefeitura reforce o contato junto ao Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer-RS).

A artesã Andréia Figueira Teixeira, 48 anos, vive no bairro Capão da Cruz há 29 anos. Para não se arriscar, opta por fazer o retorno. Para ir ao posto de saúde, por exemplo, leva entre 45 e 60 minutos. Quando havia a passarela, o tempo era de, no máximo, 20 minutos: 

– Confesso, tenho medo de ser atropelada. Algumas pessoas aqui do bairro já morreram dessa forma.

Acompanhamento dos casos na via

De acordo com a prefeitura de Sapucaia, desde o início do ano, as Secretarias de Planejamento e Habitação e de Segurança e Trânsito têm realizado pedidos de passarelas junto à Secretaria de Logística e Transportes do Estado. “A prefeitura apoia, reconhece e se integra nessa solicitação dos moradores. Além disso, pleiteamos iluminação na rodovia também. Infelizmente, não é de responsabilidade do município, mas do Estado”, afirmou a assessoria, em nota. 

Sobre o monitoramento dos atropelamentos na RS-118, a prefeitura explica que os acidentes geralmente ocorrem em dois pontos: dos kms 2 ao 3 e do 4,5 ao 5,5. Além disso, mais de 80% foram entre as 19h e as 21h. De 21 de janeiro a 27 de novembro, foram 11 óbitos e 29 atendimentos por atropelamento realizados pelo Samu.

LEIA MAIS:
Família enfrenta vazamento difícil de resolver na Restinga
Cooperativa de mulheres busca ajuda para consertar veículo
Resolvido: projeto realiza retirada de troncos do Rio Gravataí

Previsão de obras é para o próximo ano

Contatado pela reportagem, o Daer-RS, vinculado à Secretaria de Logística e Transportes, informou que existem duas passarelas previstas entre os kms 2 e 3. “A demanda da travessia que será instalada no quilômetro 2,1 se encontra na Superintendência de Estudos e Projeto do Daer, que irá analisar os projetos de arquitetura, estrutural e de iluminação. Já a que estará localizada no quilômetro 2,5 está sendo licitada na Central de Licitações (Celic)”. Quanto ao prazo,  o departamento informou que "A que estará localizada no quilômetro 2,5 está sendo licitada na Central de Licitações (Celic). Após a finalização do processo, poderá ser dada a ordem de início, provavelmente no primeiro trimestre do próximo ano. Por fim, a travessia do quilômetro 2,1 deve ser encaminhada para licitação ainda este ano e construída no próximo".

Novas travessias

Veja onde o Daer-RS pretende instalar passarelas na RS-118. O órgão, porém, não informou quando elas estarão prontas para serem utilizadas pela população.

Sapucaia do Sul
/// Km 2,1: junto à Rua Artur Bernardes e a Avenida Luiz Pasteur
/// Km 2,5: junto à interseção com a Rua Ten. Timbaúva
/// Km 5,1: junto Ruas Alcebíades Tavares e Quintino Bocaiúva

Cachoeirinha
/// Km 10,4: junto à Avenida Atlântida e Estrada Costa do Ipiranga

Gravataí
/// Km 14,1: junto às Estradas Antônio Carlos Jobim e Dionísio Cardoso de Lima
/// Km 19,4: junto à Avenida Brasil

Produção: Kênia Fialho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros