Projeto de balé precisa de ajuda para enfrentar o inverno - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso25/04/2022 | 10h21Atualizada em 25/04/2022 | 11h08

Projeto de balé precisa de ajuda para enfrentar o inverno

Grupo necessita de tatames para isolar o piso gelado e uniformes da estação

Projeto de balé precisa de ajuda para enfrentar o inverno Arquivo pessoal / Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Atualmente são atendidas 31 crianças pela iniciativa, que já atua há três anos na comunidade Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

A dança mudou a vida de Alessandra Chaussard, professora que hoje comanda o projeto “Ballet Para Todos Fortuna”, iniciativa que tem o objetivo de ampliar o acesso da comunidade do bairro Fortuna, em Sapucaia do Sul, à dança. Ela sonha que, assim como ela, os alunos possam ter as vidas impactadas positivamente pelo balé. Porém, atualmente, ela teme pela continuidade da iniciativa frente aos desafios do inverno. 

– A nossa grande preocupação é com o frio, que é muito forte aqui no Sul. O local cedido para as nossas aulas é a Associação de Moradores do bairro Fortuna, que não tem chão apropriado para a dança, é preciso usar tatames e colchonetes. Temos seis tatames, e o restante são colchonetes, que já estão bem fininhos, muito desgastados para isolar a friagem do chão – explica.

“Correndo atrás” 

O projeto, que atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, oferece vagas totalmente gratuitas para a comunidade, além de bolsas parciais. Por esse motivo, Alessandra entende que as doações de uniformes são muito importantes para a permanência dos alunos. 

– Muitos não têm condições para adquirir um uniforme normal de verão, imagina um apropriado para o inverno. A gente vê a vontade deles, mas os pais não têm como comprar uniformes. Alguns deles ainda conseguem, com muita luta, comprar, mas não são todos. Então, a gente está correndo atrás de doações – desabafa. 

Novos desafios 

Atualmente, são atendidas 31 crianças pela iniciativa, que já atua há três anos na comunidade. Porém, o número de alunos já chegou a 50. Com a pandemia, Alessandra relata que foi difícil manter a adesão, uma vez que havia restrições sanitárias que impossibilitavam salas cheias.

Agora, mesmo com a melhora do quadro pandêmico, infelizmente, as sequelas deixadas pela covid-19 continuam impactando o projeto. A dificuldade financeira, que se agravou durante a quarentena, fez com que muitos alunos deixassem de frequentar as aulas, uma vez que é necessário se deslocar para o espaço e também comprar uniformes, gastos com os quais muitas famílias, atualmente, não podem arcar.

Transformação de uma vida impacta outras

Para muitos, a dança é um exercício físico e uma forma de se manifestar. Para Alessandra, porém, é uma oportunidade de ser e transformar. Sua conexão com a dança também nasceu em um projeto social, quando ela tinha 12 anos. Lá, a professora desenvolveu a paixão pelo balé, a autodisciplina, a vontade de ensinar e também de impactar vidas. 

LEIA MAIS
Comunidade espera conclusão de obra em escola na Restinga
Moradores enfrentam vazamento de esgoto em rua de Viamão
Leitora reclama: há 20 dias escada rolante está parada na Estação Novo Hamburgo

– Me tornei quem eu sou por causa, talvez, daquele projeto, lá atrás. Então, quero poder proporcionar algo que eu vivi, que participei e que tem uma grande importância também para os meus alunos – relata. 

Alessandra e Tórques Hoffmann de Carvalho, assistente no projeto, já conseguem ver a transformação na vida dos alunos. 

– Alguns aprenderam a dividir, a compartilhar. Outros se tornaram mais abertos e sociáveis. Teve uma menina que sofria bullying e que conseguiu se expressar por meio do balé – conta Tórques. 

Para elas, a vontade é de que o Ballet Para Todos Fortuna continue impactando a vida das crianças e adolescentes do bairro por muito tempo. Mas só o esforço e o desejo delas não é suficiente. 

– Nós compramos uniformes para os alunos diversas vezes, tiramos do nosso bolso. Eles merecem que a gente ofereça o melhor pra eles. Mas não é possível fazer isso para todos. Através dessas doações, a gente conseguiria oferecer o melhor para todos, e é essa a nossa vontade – completa Alessandra.

Colabore

/// Para ajudar o projeto, é possível fazer doações de equipamentos e uniformes diretamente na Associação de Moradores do bairro Fortuna (Rua Panambi, 45), ou colaborar com qualquer valor pelo pix CNPJ 34.361.719/0001-70. Mais informações com Alessandra pelo WhatsApp (51) 98574-6604.

Produção: Júlia Ozorio


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros