Colecionador descobre edição especial de Del Rey enquanto restaurava carro: "Só fizeram mais cem" - Notícias

Versão mobile

 
 

Viagem no tempo25/05/2022 | 21h51Atualizada em 25/05/2022 | 21h51

Colecionador descobre edição especial de Del Rey enquanto restaurava carro: "Só fizeram mais cem"

Ben-Hur, mecânico de Porto Alegre, é dono de raro exemplar comemorativo aos 250 mil sedans de luxo fabricados pela Ford nos anos 1980

Colecionador descobre edição especial de Del Rey enquanto restaurava carro: "Só fizeram mais cem" Jefferson Botega / Agencia RBS/Agencia RBS
José Ben-Hur levou quatro anos para recuperar o Del Rey com a peças originais ou equivalentes de fábrica Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS / Agencia RBS

Quando o antigomobilista e mecânico José Ben-Hur Teponti, 49 anos, comprou um Del Rey Ghia 1987, esperava encontrar nele o requinte do sedan de luxo da Ford e lembranças confortáveis do passado. As idas da família dele para o litoral gaúcho remontam a uma época em que os carros e as viagens duravam mais. Além disso, durante os quatro anos em que se dedicou ao restauro da relíquia com peças originais, descobriu que se tratava de uma das 1,1 mil unidades fabricadas em edição especial comemorativa aos 250 mil carros Del Rey nos anos 1980, uma raridade, que guarda em Porto Alegre.

— Igual ao meu, duas portas e completaço, só fizeram mais cem. Conheço um outro aqui no Rio Grande do Sul e nunca vi registro de mais nenhum desta edição limitada. É mais do que um Del Rey, virou meu carro preferido — declara o colecionador.

Com poucos registros sobre essa série especial na internet, Ben-Hur percebeu que o carro tinha algo diferente quando encontrou o conjunto elétrico original de antena, vidros, travas, alarme e relógio digital — atrações inéditas em um veículo nacional nos anos 1980. Desde a compra, em outubro de 2013, até o fim da reforma, em 2017, ele foi atrás dos registros de cada um dos três donos que desfrutaram do carro antes dele. Quando encontrou com um deles o estojo do manual do veículo em couro vermelho e “250 mil” escrito em dourado na capa, não teve mais dúvidas.

Leia mais
Conheça a história do casal que foi da venda de pães de queijo à própria empresa
Mek Aurio e Churrasquinho D'Gato começam obras da nova casa, debaixo de viaduto no bairro Praia de Belas
Edital oferece R$ 150 mil para artesãs negras

— Conheço a história de todos os meus 10 carros. O Del Rey saiu da fábrica no dia 8 e foi emplacado no dia 14 de dezembro de 1987, uma encomenda super-rápida, entregue em Maravilha, Santa Catarina. O primeiro dono teve o carro por só seis meses. Conversei com ele em 2014, para certificar a procedência. Em 1993, tiraram o emblema dos 250 mil da lateral depois de uma batida. Foi para um terceiro dono em 1994, quando chegou a Guaporé, onde eu comprei em 2013 com 90 mil quilômetros — explica Ben-Hur.

A busca de informações teve a ajuda de amigos colecionadores e comerciantes de carros clássicos, além de ex-vendedores da própria Ford. A ampla rede de contatos faz parte da vida de Ben-Hur desde a infância, quando ele auxiliava a família a tocar os negócios de uma concessionária, uma mecânica e uma frota de táxis em Porto Alegre.

— Desde pequeno, já estava dentro da loja e da oficina. Este segue sendo o negócio dos primos até hoje. O meu primeiro carro foi um DKV, comprei com 14 anos. Trabalhei por 25 anos fabricando, importando e distribuindo peças para o continente. Hoje, faço só serviços de clientes selecionados, pois cada restauro leva pelo menos um ano e meio — comenta.

Por que o Del Rey?

Teponti, cuja história de colecionador reúne Kombi, DKV, Ford Falcon, Mercedes, Chevette, Megane, entre outros, destaca que a ideia de comprar um Del Rey veio das memórias afetivas. O pai, Itacir Teponti, era fã do trabalho iniciado por Henry Ford, tendo sido feliz proprietário de todas as edições de Corcel, Del Rey e Escort, de acordo com Ben-Hur, enquanto o tio dele, Antônio Brandão, preferia a Chevrolet, com seus Chevettes, Caravans e Opalas. Assim, quando teve problema com um Marea enquanto voltava de São Paulo pela BR-101, em viagem que, segundo ele, precisou ser feita a 80 quilômetros por hora por conta da avaria no carro de ano 1999, lembrou da confiança dos parentes nos modelos norte-americanos.

— Lembrei da época dos carros do pai, que rodavam a vida toda ida e volta de São Paulo e nunca davam nenhum problema. Aí deu vontade de ter um. Quando entro nele hoje, me vêm as lembranças das nossas viagens com o Del Rey do avô José, quando a família toda ia para Pinhal e Cidreira. O banco traseiro era o melhor lugar do carro, muito espaçoso, macio e confortável — ressalta, pontuando que ele e o primo Glécio Brandão são os únicos familiares que seguem vivos.

Apesar da nostalgia, o conhecimento técnico o faz admitir que o Del Rey Ghia não tinha o melhor desempenho do mundo. Ainda que o conforto da suspensão siga notável até hoje, o luxo do câmbio automático era limitado a três marchas. A bateria era rapidamente consumida pelo ar-condicionado e por itens como relógio digital e regulador elétrico dos espelhos retrovisores. O que nos anos 1980 era anunciado como “o requinte do requinte” é uma relíquia real, com limitações que também contam a história da época.

— Ter câmbio automático não era confortável como é hoje. A única diferença é que não precisava de embreagem, mas o motor não tinha força para passar de cem por hora na estrada ou encarar uma subida. Alguns defeitos são próprios do Del Rey, marcaram a época e morreram com ele quando parou de ser feito em 1991. Poderiam até ser resolvidos com peças modernas atualmente, mas eu prefiro manter original, pois sou purista — destaca, orgulhoso de conseguir fazer seu colecionável rodar nas estradas a caminho de encontros e premiações.

A história do modelo

O Del Rey foi lançado em 1981 para substituir o Corcel, que foi o herdeiro menos potente dos espaçosos Galaxie, Landau e Maverick. Os clássicos perdiam popularidade justamente pelo alto nível de consumo de combustível para alimentar os fortes motores. Foi lançado em versões sedãs de duas e quatro portas e uma versão perua, a Scala. Era concorrente do Opala, da Chevrolet, e foi bem-sucedido. Vendeu quase 350 mil unidades de 1981 a 1991, segundo portais especializados.

Chamava atenção por ter câmbio automático, ar-condicionado, travas elétricas, relógio digital junto às lâmpadas de leitura e direção hidráulica em uma época na qual tudo isso era item de luxo.

“Questão de requinte em matéria de requinte”, dizia o vídeo publicitário de lançamento, que destacava os itens automatizados, então inéditos em automóveis nacionais.

A direção, mais leve do que a mecânica, passou a ser item de série em 1986, um ano depois de o carro ganhar as versões GL, GLX e a top de linha Ghia.

“Se em matéria de tecnologia e design ele não foi um ‘ponta-de-lança’, por outro lado cumpriu com heroísmo sua missão: com seus limitados recursos, enfrentou crises econômicas e soube defender os valores da marca no páreo dos carros nacionais de luxo”, aponta Sérgio Berezovsky, em matéria de 2016 da revista QuatroRodas.

Gilberto Leal, especialista em veículos e colunista em GZH, afirma que o Del Rey foi resultado de uma mudança cultural e econômica da época. Nos anos 1980, as mudanças nos preços do petróleo afetou a indústria automobilística e fez com que os motores ficassem menos potente para consumir menos etanol. O acabamento, no entanto, era o grande destaque do sedan de luxo:

— O design, a sofisticação e os recursos agradaram, mas o problema foi o motor, exatamente por ser derivado do Corcel que tinha pouca potência e força. O novo sedã médio agradou e nos 10 anos que ficou em linha recebeu aperfeiçoamentos. O impacto foi imediato com vendas superando a expectativa. O visual foi atualizado por mais de uma vez e os motores aperfeiçoados, mas com o tempo foi perdendo a atração.

Design italiano

O brasão e sufixo Ghia fazem referência ao estúdio de design Carrozzeria Ghia & Gariglio. Fundada por Giacinto Ghia e Gariglio, dois engenheiros automotivos, em 1915, em Turim, na Itália, assinou dezenas de projetos comerciais na Europa, Estados Unidos e Brasil — como o Del Rey e o Escort nos anos 1980.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros