VÍDEO: agenda lotada e foco no maxixe: conheça o grupo Furacão da Vanera - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Estrelas da Periferia06/06/2017 | 07h00Atualizada em 06/06/2017 | 13h15

VÍDEO: agenda lotada e foco no maxixe: conheça o grupo Furacão da Vanera

Grupo, fundado há somente dois anos, comemora a rápida aceitação que teve dos fãs maxixeiros 

Com cerca de dois anos de estrada, os músicos da banda Furacão da Vanera, de Gravataí, sempre acreditaram em um sonho: criar uma banda de maxixe que fosse referência no Rio Grande do Sul.  Porém, eles sabiam que o caminho seria longo e que o mercado de bailes é pra lá de disputado. Um dos fundadores do grupo, o vocalista Kauan Rodrigues conta que o bom começo da Furacão surpreendeu. A banda vem tendo uma média de 25 shows por mês, há cerca de um ano.

— Dois anos é pouco tempo, tudo aconteceu muito rápido. Mas acredito que um dos fatores que explicam esta aceitação rápida é que o público fã de maxixe nos adotou. Essa turma, em sua grande maioria, é mais jovem, gosta de dançar e curte sertanejo, vanera e forró — define o músico, que lembra bem como se deu o boom do trabalho:

— Foi uma coisa orgânica, partiu deles (dos fãs). Começaram a postar vídeos dos nossos shows no Facebook. E, a partir daí, o nome da banda se espalhou.

Leia mais sobre famosos e entretenimento

Oportunidade

O maxixe, um dos ritmos mais tradicionais do país, ganhou força como dança de salão entre o fim do século 19 e o início do 20, principalmente, no Rio de Janeiro, com influência de outros balanços como a polca (dança de origem polonesa). No Rio Grande do Sul, sempre teve uma legião de adeptos com uma profusão de cursos que ensinam a bailar.

De olho neste nicho, Kauan observou o mercado do Rio Grande do Sul para fundar a banda.

— Pensei: "Todo mundo está fazendo a mesma coisa, preciso de algo diferente". Então, a gente começou a fazer essa mescla de vanera gaúcha, sertanejo e forró, um maxixe com uma cara gaúcha, com sanfona e violão — explica.

Leia mais
Funkeiro mirim gaúcho tem clipe com mais de 8 milhões de acessos e faz shows em São Paulo
VÍDEO: com 18 shows por mês, jovem dupla sertaneja chama atenção no Vale do Sinos
Conheça Marcelo Art, revelação do samba de raiz de Alvorada

Braços abertos

Com a agenda lotada no Rio Grande do Sul, rapidamente, o grupo chamou a atenção do mercado catarinense, forte nos bailes. Hoje, de acordo com Kauan, cerca de 60% dos shows estão concentrados no estado vizinho. Entre as faixas que caíram no gosto do público, o vídeo de Tem Que Ser Agora conta com 59 mil visualizações no YouTube.

— Somos privilegiados! Já lançamos três discos. Em cada um, conseguimos uma música de destaque — comemora Kauan, que, nesta semana, está em Santa Catarina, gravando a nova faixa, Paraquedas.

Ainda integram Furacão da Vanera Cavalo (guitarra), Mario Bittencourt (baixo), Vini Alves (bateria), Guilherme Zardo (teclado) e PJ (gaita). 

— Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas e vídeos e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.

— Para falar com a banda, ligue para 9805-78056

Furac ão da Vanera: agenda com 25 shows e se espraiando para Santa Catarina Foto: Anderson Fetter / Agencia RBS

Pitaco de Quem Entende

Lucas Nunez, vocalista da Bandavanera, analisa o som de Furacão da Vanera:

— Tive o prazer de ver a banda começar e noto que atingiram um grande público muito rápido. Um detalhe que acho importante ressaltar é que eles valorizam o maxixe, que cresce em todo o país. O importante é que não percam o foco e a humildade, que não esqueçam de suas raízes.

Leia mais notícias


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros