Para matar a saudade, lives com os Fagundes - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Piquetchê do DG22/06/2020 | 16h50Atualizada em 22/06/2020 | 16h52

Para matar a saudade, lives com os Fagundes

Quarteto gaúcho fará quatro apresentações no formato online, em julho, marcando sua estreia nas transmissões ao vivo.

Pela primeira vez desde o início da pandemia de coronavírus, o grupo que é um dos símbolos da cultura gaúcha, Os Fagundes, fará uma live. E a ocasião é tão especial que Bagre, Neto, Ernesto e Paulinho não farão apenas uma apresentação, mas quatro, nos domingos de julho, sempre às 11h, no YouTube, no Instagram e no Facebook dos artistas.

Família Fagundes é homenageada na Mostra EliteDesign. Espaço é um projeto de Cláudio e Sadi Gioda. Na foto, Ernesto, Bagre, Neto e Paulinho.
Mesmo afastados do público, artistas querem manter proximidadeFoto: Lenara Petenuzzo / Divulgação

Nas transmissões ao vivo, batizadas de Raízes do Sul, Neto, Ernesto e Paulinho estarão juntos, no pátio da agência de publicidade que atende o grupo, sem aglomerações. Enquanto isso, Bagre entrará no show pela internet, de sua casa, no bairro Bom Fim, na Capital.

- Por ser do grupo de risco (Bagre tem 80 anos), não estamos encontrando o pai. Estamos muito felizes em fazer a primeira live dos Fagundes, com todos juntos, mesmo que seja virtualmente. Essa é a hora de preservar nossas raízes. Tudo que tiver raiz, para mim, será a sobrevivência em tempos de pandemia - afirma Ernesto.

Leia mais
"A gente vai conquistando espaço", diz patrona dos Festejos Farroupilhas, sobre as mulheres no tradiocionalismo 
"Nossa base vem dos primeiros anos do grupo", diz Lê Vargas, sobre os 30 anos do Tchê Guri
Em épocas difíceis, criatividade é a chave para CTGs
"O tradicionalismo pode ajudar no empoderamento feminino",diz 1ª Prenda do Estado 

Apoio local

Nos shows, a ideia dos músicos é que o público veja os Fagundes de maneira diferente e consiga descobrir como eles lidam com a música em casa, por exemplo.

- Vamos "tirar" o Paulinho um pouco da linha instrumental, eu trarei influências latino-americanas e traremos canções que fizeram a história do Neto nos festivais de música nativista. E o pai vai entrar com grandes histórias, contando quando ele conheceu o Lupicínio Rodrigues (1914 – 1974), por exemplo - explica Ernesto.

As quatro apresentações, que trarão grandes sucessos do cancioneiro gaúcho, como o Canto Alegretense, composição de Bagre e Nico Fagundes (1934 – 2015), e Origens, terão apoiadores locais e doações para entidades assistenciais.

- A ideia é que todos estejamos juntos, investindo na nossa cultura, com apoiadores daqui. Será uma live do pátio de casa, para o público do Rio Grande do Sul, do Brasil e do mundo, pois a gauchada está em qualquer canto do mundo, e poderá matar a saudade da cultura daqui - finaliza Ernesto.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros