No Litoral Norte, comerciantes têm esperança no crescimento das vendas durante o verão - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Estação do lucro18/12/2018 | 07h00Atualizada em 18/12/2018 | 07h00

No Litoral Norte, comerciantes têm esperança no crescimento das vendas durante o verão

Depois de um inverno complicado para quem trabalha nas praias gaúchas, a expectativa é de que a chegada dos dias mais quentes incremente também os lucros

No Litoral Norte, comerciantes têm esperança no crescimento das vendas durante o verão Robinson Estrásulas / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Robinson Estrásulas / Agência RBS / Agência RBS

Para quem trabalha nos quiosques e estabelecimento da beira-mar ao longo das praias do Litoral Norte, 2018 não está sendo um ano fácil. A temporada de ida às praias nem começou oficialmente, mas entre os comerciantes que trabalham nas areias e calçadões, há um sentimento em comum: esperança.

Leia mais
Saiba como estão as condições das praias mais populares do Litoral Norte
Quintão, Magistério e Pinhal iniciam trabalhos para receber veranistas
Cidreira, Imbé e Tramandaí já estão preparadas para receber veranistas

Quando questionados sobre o ano que se encerra neste mês, eles são categóricos ao dizer ele não está sendo generoso. Por isso, toda a expectativa está depositada nos veranistas, que começam a chegar ao longo dos próximos dias e ficam nas praias até o início de março. Para os comerciantes, são estes turistas que costumam salvar o orçamento até a próxima temporada.

Em Quintão, o movimento fraco dos últimos meses preocupa Francisco Veiga, 72 anos. Proprietário de uma pequeno armazém e de uma pousada com quase cinco décadas de existência, ele demonstra tristeza com o abandono da região:

— A infraestrutura do nosso balneário não evolui. Isso desanima as pessoas. As ruas, por exemplo, estão esburacadas. Mas nem tudo é ruim, o que nos salva é que somos uma praia barata, onde os preços absurdos não chegam.

Para Francisco, outro fator que prejudicou o movimento no litoral gaúcho durante esta baixa temporada foi o "ano atípico".

— Para quem vive da praia foi complicado. Foi um ano de muito frio e chuva, principalmente, em feriados. Com o tempo ruim, as pessoas deixaram de vir — conta ele.

A prefeitura de Quintão explicou, em nota, que irá aumentar reforçar as equipes que atuam na praia durante o verão, deixando o local mais limpo e preparada para os veranistas.

Francisco acredita que a baixa temporada foi mais fraca que o comumFoto: Robinson Estrásulas / Agência RBS

Prejuízo

Mais ao norte, a sensação é a mesma. Na praia de Imbé, o casal Salvador Gomes, 64 anos, e Maurícia Melo, 60 anos, está apostando todas as fichas nos próximos dias. A esperança é de que o calor traga mais veranistas para a cidade. O casal administra um quiosque no calçadão da orla há 20 anos.

— O tempo ruim prejudicou o movimento nesse ano. A gente espera que o verão tenha aquele bom movimento de sempre, ou até mais — projeta Salvador.

Ainda em Imbé, na praia de Mariluz, além do público reduzido durante o ano, a quiosqueira, como se autointitula, Marilene dos Santos, 57 anos, reclama do vandalismo. Segundo ela, a falta de segurança na praia fez com que só o relógio d'água do seu quiosque já tenha sido quebrado quatro vezes neste ano. Com isso, o prejuízo vem na conta.

— Em uma das ocasiões vazou três mil litros de água. Olha o desperdício que isso gerou. Os lucros já são mínimos durante o ano, aí ainda acontece isso. Espero que durante o verão tenham mais ações da prefeitura para diminuir isso — relata Marilene.

A prefeitura de Imbé, município ao qual também pertence a praia de Mariluz, explicou que irá reforçar a segurança durante o verão com o auxílio da Brigada Militar e da Guarda Municipal. Em nota, a administração disse que está em implementação o programa "Imbé Mais Seguro". A ação inclui a contratação de 40 guardas municipais. Os novos agentes atuarão a partir de 2019. 

Marilene enfrentou problemas após ataques de vândalos em seu quiosqueFoto: Robinson Estrásulas / Agência RBS

Expectativa é por temporada com mais vendas

Se depender da expectativa de quem lida com o comércio na praia, esse verão será de bons ventos. Na visão de Marcelo Marques, vice-presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Imbé e Tramandaí, duas das principais praias do Litoral Norte, a temporada tende a apresentar resultados superiores à de 2017. Isso porque, segundo ele, os últimos dois meses já apresentaram uma tendência de melhoria nas vendas, e com a chegada dos turistas, esse quadro deve ser ampliado. 

— Foi um ano difícil, de sobrevivência. Além da crise nacional, ainda tínhamos um cenário estadual ruim também. Agora, o dinheiro está começando a rodar novamente no comércio — explica Marcelo.

Inverno

Quando o calor e os veranistas irem embora junto com o mês de março, a queda no movimento chegará. Ciente disso, Marcelo conta que a ideia é que as praias comecem a trabalhar mais a ideia de eventos fora da temporada de verão. Isso atrairia o público para as cidades do Litoral Norte com atrativos que vão além da praia. 

— Já temos os veranistas, mas queremos também de turistas, aqueles que vem em qualquer parte do ano — brinca o vice-presidente do CDL de Imbé e Tramandaí.

Leia outras matérias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros