Adolescente com escoliose não consegue cirurgia pelo SUS - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso16/04/2019 | 10h21Atualizada em 16/04/2019 | 11h26

Adolescente com escoliose não consegue cirurgia pelo SUS

Flávio de Campos Goulart, 16 anos, morador de Alvorada, sofre com escoliose idiopática. A curvatura da coluna está em estágio avançado e pode comprometer órgãos internos

Adolescente com escoliose não consegue cirurgia pelo SUS LeitorDG / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Coluna de Flávio tem grave desvio Foto: LeitorDG / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Flávio de Campos Goulart, 16 anos, morador de Alvorada, tem a adolescência abalada por uma escoliose idiopática — doença em que a coluna vertebral sofre curvatura anormal para um dos lados do tronco. Desde maio de 2017, ele aguarda uma cirurgia, pelo SUS, que pode melhorar sua qualidade de vida

Leia mais
Menino de Guaíba precisa de ajuda para pagar exame não oferecido pelo SUS
Clube dos Corações Solitários une brasileiro e cubana
Obra inacabada atrapalha rotina de moradores e comerciários na Restinga Nova, em Porto Alegre

A demora para a marcação preocupa a mãe de Flávio, a dona de casa Teresinha de Fátima Campos Goulart, 55 anos. Ela dedica boa parte do seu tempo em busca de alternativas a fim de auxiliar o filho: 

— Tem dias em que ele sente muita dor. Tivemos que trocar o colchão e o travesseiro, tudo para melhorar o conforto. 

Segundo ela, a última consulta ocorreu no dia 26 de julho de 2017, no Hospital São Lucas da PUCRS, na Capital

Em outubro de 2018, Teresinha obteve o relatório médico que afirma que “a tabela do SUS não contempla os materiais de OPME indicados, Clamp e Tampão, nem a monitorização eletro neurofisiológica necessária”. Ou seja, pela falta de materiais via SUS, Flávio não pode fazer a cirurgia. 

Possibilidades 

Apesar da curvatura e das fortes dores, o menino tenta levar uma vida normal. Ele é aluno do sétimo ano e, nas tardes de quintas-feiras, vai à fisioterapia no projeto Escola de Postura, do IPA, que atende nas Clínicas Integradas. Ele faz parte do projeto, gratuito, desde agosto de 2018. 

— A gravidade do caso dele requer cirurgia. As atividades são como um pré-operatório, para que ele esteja bem quando ocorrer a operação. Além disso, melhora a mobilidade — conta a coordenadora da Escola, fisioterapeuta Carla Brito. 

Ela ainda destaca que um dos sintomas da progressão da doença é o cansaço. 

— Não é comum pacientes com escoliose sentirem dores. Ele sente porque, realmente, o caso está avançado — conclui a profissional. 

Raio-x mostra a curvatura da colunaFoto: LeitorDG / Arquivo Pessoal

Pedido judicial foi negado três vezes

Teresinha procurou a Defensoria Pública e entrou com ação contra o município de Alvorada e o Estado. O pedido de tutela de urgência requer “cirurgia o mais breve possível e posterior acompanhamento hospitalar, com devido tratamento”. Na ausência da cirurgia na rede pública, providenciar “o tratamento necessário na rede particular, arcando o Estado e município de Porto Alegre com todas as despesas”. 

Para reforçar o pedido, Teresinha submeteu Flávio à análise de outro médico. No novo relatório, o especialista afirma que, “em função da progressão do valor angular acima de 90°, existe grande risco de paraplegia” e “pode ocasionar também o comprometimento dos órgãos internos, como coração e pulmões”. 

Segundo a defensora pública de Alvorada Arianne Fischer Ranquetat, o pedido pela cirurgia foi negado três vezes pela Justiça: 

— Destaquei tudo o que o médico disse, dos riscos que o Flávio corre. Mas o juiz manteve decisão e indeferiu. Diante disso, eu agravei. Infelizmente foi negado provimento. 

Jogo de empurra em solução

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que direcionou apenas a primeira consulta de Flávio para a PUCRS. A partir daí, a regulação de leitos cirúrgicos é feita pelas Secretarias Municipais de Saúde (SMS) — neste caso, a de Porto Alegre. Conforme a SES, a “SMS ou o próprio serviço onde esta necessidade foi constatada procura pelo leito junto ao hospital que é referência para o atendimento”. 

Em um primeiro contato, a SMS afirmou que Flávio foi regulado “pela Central Estadual de Regulação em maio de 2017, para o Hospital São Lucas da PUCRS, na subespecialidade de ortopedia coluna”. Depois disso, não houve atualizações do caso à secretaria. A SMS de Alvorada também explicou que a responsabilidade pelo tratamento e pela operação é do hospital onde o paciente foi atendido. 

Materiais 

Já a assessoria do São Lucas explicou que, para a cirurgia, “são necessários implantes metálicos específicos e monitorização eletroneurofisiológica, procedimentos não contemplados na tabela do SUS”. Além disso, afirmou ter pedido os materiais e a monitorização à SMS da Capital. Mas não obteve retorno. 

A SMS da Capital respondeu que, “em novembro de 2018, recebeu ofício da PUCRS informando da impossibilidade de realizar o tratamento cirúrgico da escoliose, tendo em vista que a tabela SUS não contempla alguns materiais, sem nominar, no entanto, o paciente Flávio de Campos Goulart”. Além disso, a SMS da Capital alega não ter sido notificada pela Justiça com relação ao processo do paciente em questão. 

Produção:  Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros