VÍDEO: presos promovem farra da cocaína no Presídio Central - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Descontrole em cadeia29/12/2014 | 17h19

VÍDEO: presos promovem farra da cocaína no Presídio Central

Em pavilhão do Presídio Central, apenados fazem fila para cheirar cocaína

VÍDEO: presos promovem farra da cocaína no Presídio Central Reprodução/
Foto: Reprodução

A reportagem do Diário Gaúcho teve acesso a um vídeo que mostra detentos do Presídio Central cheirando carreiras de cocaína na primeira galeria do Pavilhão B. A farra teria sido realizada entre a noite de quarta-feira e a madrugada de quinta da semana passada.

"Não existe controle no Central", afirma juiz sobre tráfico de drogas no interior de penitenciária
Dívida é paga com a vida no Presídio Central, em Porto Alegre

No vídeo, presos aparecem sorridentes, festejando a abundância da droga. Em um momento, é possível ver um detento, com um relógio no pulso esquerdo, usando uma carta de baralho para separar carreiras de cocaína sobre uma mesa branca. Os presos que estão na fila, cerca de duas dezenas, parecem ansiosos, mas com bom humor.



— Sorria — diz um deles, provavelmente o responsável pela filmagem.

— Esse é o mais lindo do Central — diz outro, referindo-se a um dos que aguardavam a vez para consumir a droga.

— Dá um sorriso pra câmera — grita outro.

Flagrado dormindo ao lado de fuzil, preso domiciliar volta à cadeia
Homens são presos por arremessar drogas para o Presídio Central
 
O preso que estava sendo motivo de chacota responde com um gesto obsceno, mostrando o dedo médio.

De acordo com uma pessoa entrevistada pelo Diário Gaúcho, os presos, antes de se reunirem no fundo da galeria (correspondente a um dos andares do pavilhão) para consumir a droga, teriam realizado um churrasco para celebrar o Natal. A festa nas dependências do Presídio Central teria reunido, apenas, "os embolados" — como são chamados criminosos diretamente ligados ao líder da galeria. 

— Os que não têm relação com o patrão ficaram com o nariz à seca. Foi um presente de Natal do patrão para os embolados — confidenciou uma pessoa que soube da festa.

Desativação do Presídio Central sofre revés
Susepe acaba com revistas íntimas nos presídios do Estado

Ainda de acordo com essa pessoa, teriam sido gastos, apenas com a cocaína, cerca de R$ 20 mil

O Diário tentou falar com o secretário da Segurança Pública, Airton Michels, mas a assessoria de comunicação do órgão informou que ele não se manifestaria e recomendou que fosse procurada a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). A assessoria do superintendente Gelson Treiesleben, porém, informou que ele também não se manifestaria e recomendou que o assunto fosse tratado pela direção do Presídio Central.

Mesmo em férias, o diretor do Presídio Central, major da BM Dagoberto Albuquerque, afirmou ter tido acesso ao vídeo e argumentou que os PMs realizam apreensões expressivas de droga toda a semana. Disse que a situação deve melhorar com a instalação de um scanner corporal, que deve acontecer até o fim de janeiro. Respondendo pela direção do Central na ausência de Albuquerque, o major Guatemi de Souza Echart disse que o preso que fez o vídeo já foi identificado e o celular, apreendido. Segundo o major, o detento admitiu ter gravado as imagens, mas alegou não tê-las difundido. A direção pedirá ainda nesta terça-feira à Justiça a transferência dele para outra cadeia.

Para o juiz da Vara de Execuções Criminais da Capital Sidinei Brzuska, o flagrante não seria novidade: 

— Nos últimos quatro anos, sem contar 2014, que ainda não está com dados finalizados, a apreensão de drogas dentro do Presídio Central chegou a 60kg. Apenas 20% dessa quantidade é pega nas revistas, o resto é apreendido nas galerias. A apreensão de drogas com visitantes é caracterizada por pequenas quantidades. As grandes porções de drogas devem fazer o mesmo caminho que as armas, um caminho que não passa pela revista. É muito difícil fazer uma acusação sobre responsáveis por estas entradas, mas, no ano passado, por exemplo, tivemos a prisão em flagrante de um policial que entrou com 1kg de maconha e R$ 4 mil. É uma possibilidade (a entrada por policiais). Também tem as entradas pelos muros, por arremesso. Não é excluída essa forma, assim como as visitas, mas não para grandes quantidades.

Detentos comandam

Desde a década de 80, há um descontrole por parte do Estado no interior das galerias. São os próprios presos que exercem o poder. Na maioria dos casos, o domínio é exercido por facções organizadas. Isso influencia o próprio cumprimento da pena, com a anuência estatal. Quando um preso chega ao Central, se pertence a algumas facção, é conduzido à galeria correspondente. O objetivo é evitar que detentos sejam mortos por grupos rivais.

Detentos aproveitam restos de demolição de pavilhão para tentar fugir de cadeia
Preso comandava golpe do falso aluguel de dentro do Presídio Central

Como funciona

* No Presídio Central, os maiores pavilhões têm três galerias cada, correspondentes aos andares.

* As galerias têm, em média, cerca de 18 celas, que, por não terem portas, permitem a livre circulação dos presos pelos corredores.

* Os presos que pertencem a alguma facção são distribuídos pelas galerias conforme o grupo correspondente.

* Na primeira galeria do Pavilhão B, estão concentrados presos da facção Os Abertos".

* Os contatos com a administração do presídio (a cargo da Brigada Militar) são feitos pelos chamados prefeitos (representantes escolhidos pela massa carcerária), que, não obrigatoriamente, são os líderes das facções.     

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Curta a página do DG no Facebook

DIÁRIO GAÚCHO

Notícias Relacionadas

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros