Doador de sapatilhas conhece projeto de balé de Alvorada - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Solidariedade20/11/2016 | 20h02Atualizada em 20/11/2016 | 20h02

Doador de sapatilhas conhece projeto de balé de Alvorada

Morador da Suíça, porto-alegrense assistiu na tarde deste domingo apresentação de cem meninas que receberam a ajuda dele no ano passado

Doador de sapatilhas conhece projeto de balé de Alvorada Carlos Macedo/Agencia RBS
Clau (de rosa pink, no centro), George e as bailarinas ao fim do espetáculo Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Sentado em um lugar especial, dedicado aos apoiadores do Grupo de Dança Independance, o analista de sistemas George Fabris Justo, 41 anos, pôde ver de perto a graça e o empenho de cem bailarinas de Alvorada. Capitaneadas pela professora Claudia Souza Malta Costa, 16 anos, a Profe Clau, as pequenas dançarinas o motivaram a ajudar desde a Suíça, onde mora há sete anos.

Leia mais
Alunas fazem homenagem surpresa para adolescente que dá aulas de balé na periferia de Alvorada

Francine ganhou as palmilhas ortopédicas e sonho de dançar balé está mais próximo
Conheça a professora de balé que criou projeto social de dança em Alegrete


No ano passado, o porto-alegrense que vive na Europa há 12 anos fez a doação de sapatilhas e collants para as meninas do projeto que acontece na Escola Estadual Maurício Sirotsky Sobrinho, que ele conheceu a partir da reportagem do Diário Gaúcho lida na internet. Para isso, entrou em contato com uma amiga que mora em Brasília, cujos pais vivem em Porto Alegre e fizeram chegar a ajuda a Alvorada.

Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Na tarde deste domingo, no salão da Paróquia Nossa Senhora do Caravaggio, no Bairro Maria Regina, junto com outras 300 pessoas, George sentiu a energia envolvida num projeto que há quatro anos vem modificando a vida de meninas de bairros como Maria Regina, Salomé, Umbu, Algarve e Nova Alvorada.

— Estou muito emocionado, muito feliz. Achei a energia delas muito boa — contou, enquanto acompanhava o bailado de fadas, jardineiras, animais da água, da luz, todos personagens do filme Tinker Bell, representados no espetáculo de dança que encerrou o ano.

Além de demonstrar pessoalmente a admiração pelo trabalho de Clau e suas alunas, a visita de George rendeu mais frutos: ele mobilizou cinco brasileiros e uma espanhola que vivem em Genebra, onde ele reside, e de lá veio o apoio para garantir mais 93 pares de sapatilhas.

Espetáculo de encerramento reuniu 300 pessoas Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

— Conhecer quem lá do outro lado do mundo se comoveu com uma história de Alvorada é muito emocionante — disse Clau, durante o espetáculo.

Além de George, o projeto conta com o apoio de uma loja da cidade e tem uma rede de mães que se envolve na confecção dos figurinos e na realização dos eventos, como o chá de ontem, que garantem o recurso necessário para manter as apresentações.

Leia outras notícias


Empenho na confecção de figurinos

Assim como tantas mães, que transbordaram de orgulho diante da beleza e desenvoltura de suas pequenas bailarinas, Marlene Souza Costa, 50 anos, vivia mais uma vez a emoção de assistir à realização da filha Claudia.

— Ela se dedica de corpo e alma e eu tenho que acompanhá-la — disse a mãe, responsável pela criação de todas as fantasias usadas pelas cem meninas de três a 16 anos.

Figurinos foram desenhados por Marlene, mãe de Clau e executados por um grupo de mães Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Dos desenhos feitos por ela, moldes dos figurinos são confeccionados em bonecas Barbie para, depois, ganharem forma pelas mãos de 20 mães de alunas que costuram.

— Levantei às 5h30min para terminar as últimas fantasias. A Marlene desenha e a gente executa — explicou a costureira Dione do Nascimento, 49 anos, mãe das bailarinas Melissa, 15 anos, e Marina, nove anos, alunas da Maurício Sirotsky Sobrinho.

— Eu adoro dançar, é muito legal — disse Marina, eufórica.

Contato com a arte

Clau com suas alunas Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

— A maioria das meninas não teria contato com a arte se não fosse pelo projeto. Quando colocam a fantasia, o fru-fru no cabelo, os problemas ficam do lado de fora.

Com a frase, Paula Nunes, 28 anos, dinda da profe Clau e uma das envolvidas na organização do evento, mostra a importância do projeto na vida das meninas.

Tânia cheia de orgulho de sua pequena bailarina Isabelle Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

A dona de casa Tânia Azambuja, 42 anos, concorda com a evolução na vida das crianças. Ela conheceu a história da profe Clau pelo Diário Gaúcho e há dois levou a filha Isabelle Azambuja Lima, quatro anos, para participar.

— É muito bom, ela se entrosou mais com as outras crianças. Era muito tímida.

Bailarinas compenetradas, esperando para entrar no palco Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

A aposentada Cleide Pinheiro, 52 anos, que assistia da plateia as sobrinhas, elogiou:

— É muito bom um projeto que tira as crianças da rua. Assim, os pais podem trabalhar mais tranquilos. E também se sentem mais motivadas a estudar (uma das condições para a participação é ter boas notas).

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • pfvrxx

    pfvrxx

    narina talvez marina@jugarciarp @falandocarioca @GauchoFalando @10Ronaldinho @diario_gaucho @JornaldoAlmoco_ @_OrgulhoGaucho @RdGaucha @Rafagaucho @vibeoutonohá 29 minutosRetweet
  • jugarciarp

    jugarciarp

    maio, junho, Júlia..@pfvrxx @falandocarioca @GauchoFalando @10Ronaldinho @diario_gaucho @JornaldoAlmoco_ @_OrgulhoGauchohá 31 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros