Duplicação da Avenida Ernesto Neugebauer é um drama sem fim na zona norte da Capital - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso05/04/2018 | 10h27Atualizada em 10/04/2018 | 09h37

Duplicação da Avenida Ernesto Neugebauer é um drama sem fim na zona norte da Capital

A prefeitura pretende usar dinheiro que seria aplicado na construção de corredores de ônibus para custear obras da Copa de 2014 e outras que ainda não foram terminadas, como a duplicação Ernesto Neugebauer

Duplicação da Avenida Ernesto Neugebauer é um drama sem fim na zona norte da Capital Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Obra está abandonado na Avenida Ernesto Neugebauer Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Uma obra iniciada pela prefeitura de Porto Alegre na metade de 2016 e com promessa de estar concluída no segundo semestre de 2017 ainda é motivo de preocupação, em especial, para quem trafega pela Zona Norte. 

Leia mais
Paciente aguarda por exame desde julho em Viamão
Falta de pavimentação em rua incomoda moradores de Torres, no Litoral Norte
Erro de preenchimento no sistema adia cirurgia bariátrica de rodoviário na Capital

Importante via de ligação entre a Capital e Canoas, a Avenida Ernesto Neugebauer não é mais caminho para veículos desde que as obras foram interrompidas, em dezembro de 2016. Isso ocorreu em razão de dívidas da prefeitura com a construtora responsável. 

Em julho do mesmo ano, quando o pontapé inicial dos reparos foi dado, a promessa da administração municipal era duplicar a avenida em toda a sua extensão — do limite com Canoas, próximo à BR- 290, até a Rua Dona Teodora. 

No projeto, além da pavimentação dos 2.680 metros da via, ainda constava a construção de calçadas com 1,5m de largura, duas pistas, implantação de ciclovia e de uma nova rede de drenagem. Porém, após quase dois anos, nada saiu do papel. 

Morador da bairro Farrapos, próximo ao canteiro de obras em que se transformou a avenida, o conselheiro tutelar Jean Marchi, 29 anos, está decepcionado com o descaso: 

— A prefeitura largou de mão. Canos, tijolos, a areia da obra, tudo ficou jogado. Aos poucos, foi sendo levado. Agora, todo esse material vai ser pago de novo do nosso bolso? — questiona. 

A reforma chegou a começar, no limite entre Canoas e a Capital, avançando até a esquina com a Rua Eli Leite Urdapiletta. Depois, até a Dona Teodora, o caminho é incerto. Entre a Rua Irmão Félix Roberto e a Avenida Amynthas Jacques de Moraes, alvo da reclamação de Jean, o tráfego está totalmente bloqueado. Apenas moradores da região circulam ali. 

Lixo 

O local também virou ponto de descarte irregular de lixo. Jean conta que protocolou pedidos de limpeza pelo telefone 156, mas não obteve retorno da prefeitura. O morador conta ainda que motociclistas circulam pela calçada, única parte ainda transitável da Ernesto Neugebauer:

— Motoqueiros dividindo espaço com pedestres é perigoso. 

O conselheiro tutelar ainda se preocupa com outras questões: 

— Van escolar, ônibus de linha, lotação nem ambulância podem entrar no Loteamento Quadro Ferroviário ou na Vila Santo Antônio. 

Dívida 

Em maio de 2017, o Diário Gaúcho mostrou a situação. Na época, as secretarias da Fazenda e de Mobilidade Urbana explicaram que uma dívida de R$ 5,3 milhões emperrava a obra. Do total, quase metade era contrapartida do município. O restante viria de um financiamento da Caixa Econômica Federal. Como a prefeitura não tinha dinheiro para pagar a contrapartida, a Caixa não liberava o dinheiro financiado, impedindo o fim da novela na via da Zona Norte. 

Retomada dos reparos neste semestre 

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim), por meio de sua assessoria de imprensa, confirmou que as obras estão paralisadas desde o final de 2016 em razão da dívida financeira. Entretanto, conforme nota da Smim, a conclusão dos reparos de pavimentação e drenagem da via será executada com recursos que seriam usados na construção de corredores de ônibus (BRT). 

Conforme a secretaria, a retomada dos trabalhos deve acontecer ainda neste semestre. Após o recomeço, a previsão de término é em 12 meses. Esse redirecionamento de recursos foi anunciado pela prefeitura no final de fevereiro. 

Obras da Copa 

Os R$ 115 milhões que seriam usados em obras de mobilidade foram realocados, com autorização do Ministério das Cidades, para o término de obras da Copa de 2014 e de outros locais — como a Avenida Ernesto Neugebauer. 

O dinheiro será usado para pagar R$ 45,4 milhões em dívidas com as construtoras e finalizar trabalhos como o da via na Zona Norte. 

Além da avenida, a verba será destinada para a construção do viaduto na Avenida Plínio Brasil Milano, a duplicação do trecho 2 da Avenida Voluntários da Pátria, a conclusão das trincheiras das avenidas Ceará, Anita Garibaldi e Cristóvão Colombo. O prolongamento da Avenida Severo Dullius também foi escolhido para fazer parte do pacote de serviços. 

*Produção: Alberi Neto

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros