Entenda por que o INSS está demorando para liberar aposentadorias no Rio Grande do Sul - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso24/08/2018 | 08h43Atualizada em 24/08/2018 | 21h27

Entenda por que o INSS está demorando para liberar aposentadorias no Rio Grande do Sul

Depois de contribuir por três décadas ou mais, os segurados que dão entrada nos pedidos estão encontrando outra dificuldade: a demora da Previdência Social em responder às solicitações

Entenda por que o INSS está demorando para liberar aposentadorias no Rio Grande do Sul Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Mudanças no sistema de agendamento aumentaram os pedidos Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Se aposentar, por si só, já requer um esforço tremendo: contribuir mensalmente por três décadas ou mais para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ao fim do tempo de contribuição, os segurados dão entrada nos pedidos, mas muitos encontram outra dificuldade: a demora da Previdência Social em responder às solicitações. 

Leia mais
Mães organizam mutirão para fazer limpeza em escola na zona norte de Porto Alegre
Saiba por que está faltando Ritalina nas farmácias do Rio Grande do Sul
Moradores do Lami organizam abaixo-assinado para pedir linha de lotação

Nesta reportagem, o Diário Gaúcho mostra cinco casos de homens e mulheres do Rio Grande do Sul que deram entrada em pedidos de aposentadoria, mas não sabem quando vão começar a receber os vencimentos. 

Em um dos casos, do agricultor Edimar da Silva Duarte, 62 anos, a espera completou dois anos. O pedido foi feito em 18 de agosto de 2016, e tinha a previsão de ser atendido em 30 dias. 

Em outra situação, da agente de saúde Aurea de Oliveira, a espera se estende desde dezembro passado. No documento que foi entregue à moradora de Balneário Pinhal, no Litoral Norte, a expectativa dada pela Previdência Social era de que a solicitação seria respondida até o dia 12 de fevereiro. Entretanto, passados quase sete meses do prazo, ela segue aguardando uma resposta. 

Alta demanda 

A dificuldade em receber o atendimento dentro do prazo não é novidade quando se trata do INSS. Entre junho e julho, o Diário publicou quatro reportagens semelhantes sobre o tema. Em ao menos três situações, após o contato do jornal, a situação foi resolvida. 

Leia mais
Em Lajeado, segurada passa sete meses à espera da aposentadoria
Moradora de Eldorado do Sul espera  por seis meses liberação da aposentadoria
Família espera liberação de benefício do INSS desde fevereiro, em Porto Alegre
Idoso espera sete meses por liberação de pensão por morte da esposa, na Capital

Mudanças no sistema de agendamento dos serviços — que agora pode ser feito diretamente pelo site do INSS — e fatores externos, como a possibilidade de uma reforma da Previdência, aumentaram a quantidade de pedidos chegando às agências, segundo a Gerência Executiva da Previdência Social em Porto Alegre. 

A gerência, que administra quatro unidades na Capital, uma em Alvorada e outra em Viamão, admitiu que "a demanda mensal de atendimento é muito superior à capacidade de trabalho dos servidores disponíveis". Em nota, o órgão explicou que conta com apenas 46 servidores exclusivos para análise de direitos, enquanto recebe mensalmente 9 mil processos de solicitação. Além disso, ainda são realizados 38 mil atendimentos mensais nas agências de Porto Alegre, Alvorada e Viamão, segundo o comunicado.

INSS alega que faltam funcionários para fazer análise dos pedidos 

Além do receio de que aconteça a reforma da Previdência, a gerência do INSS na Capital citou outros fatores que contribuíram para o que classificou de "aumento desenfreado da demanda" — entre eles, a crise financeira nacional. 

Segundo nota enviada ao Diário, a crise "faz com que as pessoas façam pedidos para a Previdência Social a fim de tentarem obter alguma fonte de renda, mesmo que não tenham direito a um benefício".E, como o órgão precisa analisar todos os requerimentos protocolados, a demanda se acumula. 

Em função do reduzido número de servidores, a gerência executiva da Capital tem conseguido dar andamento a cerca de 4 mil tarefas por mês. Segundo a entidade, esse acúmulo "demonstra o motivo pelo qual não é possível dar andamento imediato ao reconhecimento de direito no momento em que o contribuinte abre seu protocolo".

Contraponto sobre os cinco casos da reportagem

Foto:
Foto:

Número baixo 

A nota do INSS de Porto Alegre diz que "os segurados reclamam sem saber da realidade dos fatos, pois a gerência opera com número de servidores abaixo do ideal há muito tempo". O órgão diz que aguarda autorização para realizar concurso para contratação de servidores. Outro fator foi citado: "muitos servidores estão se aposentando ao longo deste ano", sem citar que número é esse diante do total de funcionários do órgão. 

Por fim, a administração da Previdência na Capital esclarece que as análises "obedecem rigorosamente à ordem de data da entrada de requerimento" — ou seja, os atendimentos são feitos por ordem de chegada, dos mais antigos aos mais novos — e que já foram distribuídas as tarefas com data de entrada até 3 de maio. Depois desta data, ainda não há previsão de análise. 

A gerência executiva de Canoas, responsável pelos casos de Gravataí e Balneário Pinhal citados na reportagem, informou que, em julho, reorganizou os fluxos de atendimento. O objetivo é que, até o final de outubro, o tempo médio de espera por resposta esteja dentro de 45 dias. 

A gerência executiva de Novo Hamburgo, responsável pelo caso de São Leopoldo, não respondeu.

*Produção: Alberi Neto e Eduarda Endler 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros