Fechamento de UBS preocupa moradores de Canoas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso30/01/2020 | 10h00Atualizada em 30/01/2020 | 10h21

Fechamento de UBS preocupa moradores de Canoas

A Unidade Básica de Saúde Central Park funcionada desde 2011, no bairro Mato Grande

Fechamento de UBS preocupa moradores de Canoas Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Moradores protestam contra o fim da UBS Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Moradores do loteamento Central Park, no bairro Mato Grande, em Canoas, estão preocupados com o iminente fechamento de uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Inaugurada em junho de 2011, a UBS funciona em um prédio alugado na Avenida das Canoas.

LEIA MAIS
Más condições de asfalto causam incômodo a moradores do bairro Bom Jesus, na Capital
Perigo ao atravessar a rua: pedestre cai em irregularidade no asfalto de corredor de ônibus Vaquinha: morador de Alvorada que sofre com doença degenerativa precisa de uma cadeira rodas motorizada 

Segundo o técnico em teleprocessamento aposentado Paulo Ricardo da Silva, 63 anos, que atua como líder comunitário, a unidade foi aberta de forma temporária, mas acabou ficando definitivamente no local. À época, a prefeitura divulgou que o posto substituiria provisoriamente a Unidade Mato Grande, que passaria por reformas e ampliação. 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) me informou que a UBS Central Park será unificada com a UBS Mato Grande. Mas a nossa UBS ainda está funcionando até o prédio do Mato Grande ficar pronto.  O que era para ser temporário ficou quase 10 anos com a comunidade e, hoje, muitas pessoas consultam no local. Vai aumentar significativamente o número de pacientes no mesmo posto. Será uma fila enorme para conseguir consultas — afirma o aposentado. 

Capacidade

De acordo com Paulo, em reunião do Orçamento Participativo de Canoas em 2014, os moradores votaram pela construção de uma nova UBS no Central Park. Contudo, a obra nunca foi iniciada. 

— O bairro Mato Grande está crescendo rápido. Hoje, são cerca de 28 mil habitantes e, futuramente, esse número vai aumentar com a abertura de um novo residencial e com o aumento de vilas na região. Será que um único posto terá capacidade e médicos? —questiona ele. 

Mobilização

Angustiada com a retirada do posto que se tornou referência para a comunidade, a revendedora de cosméticos Ângela Mari da Costa, 51 anos, que também mora no loteamento, afirma que a comunidade está mobilizada contra a decisão. Em protesto, alguns deles colocaram um cartaz, balões e uma lona preta na fachada do prédio. Ela relembra casos em que o médico do local chegou a ir até a casa de pacientes para evitar o deslocamento dos doentes. 

— Toda a minha família consulta ali, pois fica próximo da maioria das pessoas que moram no Central Park. O atendimento no posto é muito bom. Quando vim morar no loteamento, eu estava grávida e era complicado para ir a pé até o posto Mato Grande, imagina para pessoas mais idosas ou debilitadas? Sem contar que o fluxo de pacientes será maior quando unificarem as unidades. O nosso posto é essencial — lamenta a moradora. 

Para Paulo, tudo o que é bom para comunidade não deveria mudar: 

— Essa medida vem para dificultar e tirar os benefícios do povo. Outra coisa é não ter mais o teleagendamento de consultas. Desta forma, idosos terão de caminhar até o posto para ver se podem consultar ou terão que voltar em outro dia. Queremos o nosso posto aqui. 

Prefeitura confirma integração e justifica decisão 

A prefeitura de Canoas confirma que a unidade do Central Park será integrada à Clínica de Saúde da Família Mato Grande – a cerca de um quilômetro de distância. Na nova unidade, prevista para o segundo semestre de 2020, os pacientes terão mais serviços, profissionais e horas de atendimento – a Clínica ficará aberta 12 horas por dia. 

A administração municipal não informou quando a UBS Central Park vai encerrar as atividades, apenas que haverá “um período de transição”. 

Motivos 

A integração tem como objetivo a adaptação ao novo modelo do SUS, conforme o qual é preciso integrar as equipes para garantir a sustentabilidade financeira da rede de saúde. Além disso, a prefeitura explica que, dentro da nova política de repasses do Ministério da Saúde, unidades de saúde que têm melhores desempenhos são beneficiadas com mais recursos. Desta forma, uma das intenções da atual gestão é obter melhores resultados. 

Em relação aos funcionários, os profissionais serão absorvidos pela rede, podendo atuar na Clínica Mato Grande ou nas demais unidades da cidade. Questionada sobre o aumento da procura por consulta e agendamentos, a administração de Canoas garante que o “número de consultas irá aumentar”. 

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros