Após reportagem do DG, irmãs participam de seletiva nacional e trazem medalhas para o RS  - Notícias

Versão mobile

 
 

Canoas23/08/2021 | 09h56Atualizada em 25/08/2021 | 16h46

Após reportagem do DG, irmãs participam de seletiva nacional e trazem medalhas para o RS 

Alanis Macedo Santos, 14 anos, e Cíntia Macedo Santos, 11 anos, participaram do evento, no  Rio de Janeiro, e conquistaram medalha de ouro e prata

Após reportagem do DG, irmãs participam de seletiva nacional e trazem medalhas para o RS  Reprodução / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Cintia conquistou uma medalha de ouro na categoria sub-12 faixa cinza, e Alanis, uma medalha de prata na categoria infanto-juvenil sub-14 faixas laranja+verde Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Elas conseguiram alcançar seu objetivo e venceram. No início de agosto, as irmãs Alanis Macedo Santos, 14 anos, e Cíntia Macedo Santos, 11 anos, moradoras de Canoas, participaram do AJP Tour 600 de Abu Dhabi, uma seletiva de jiu-jitsu realizada no Rio de Janeiro. Elas precisavam – e conseguiram – ajuda financeira para obter R$ 3,5 mil e arcar com os custos da viagem. 

Após a repercussão da reportagem divulgada no Diário Gaúcho, em 15 de julho, as manas receberam doações e compraram as passagens 10 dias antes do evento. Segundo a trabalhadora doméstica Nádia Macedo, 42 anos, mãe das atletas, para participar do evento no Rio de Janeiro, a família contou com o apoio financeiro de três pessoas: uma professora das meninas, um senhor que regularmente faz doações desde que conheceu a família e o administrador Thiago Rebello, 33 anos, morador de Canoas.  


LEIA MAIS:
Irmãs buscam apoio para participar de campeonato de jiu-jitsu no Rio de Janeiro  
Em Cachoeirinha, vizinhos organizam mutirão de limpeza em área verde abandonada
Moradores revitalizam área onde havia lixo em Viamão

Acaso?

De acordo com Nádia, o valor que faltava para realizar a viagem chegou através de uma pessoa que entrou na vida da família de uma forma inusitada. Esposo dela, o mecânico Luciano Santos, 41 anos, se envolveu em um acidente de carro na primeira quinzena de julho:  

– Depois disso, nós seguimos em contato com moço que havia batido no nosso carro. Ele viu a reportagem e disse que queria ajudar. Doou boa parte do valor que precisávamos.

O doador em questão era o administrador Thiago. No momento em que ocorreu o acidente, ele estava levando sua dinda para tomar a vacina contra a covid-19. Segundo Thiago, após o ocorrido, ele começou a seguir a família nas redes sociais e ficou comovido com a determinação das filhas do casal: 

– Nada é por acaso. Vi que era uma família espetacular e quis apoiar e contribuir de alguma forma com o futuro das gurias.  

Thiago afirma que o fato de também ter vindo de uma família humilde fez com que enxergasse a importância de colaborar.  

– É uma sensação boa de fazer o bem pra alguém que precisa. Eu acreditava que elas tinham grande potencial – conta o administrador. 

Alanis Macedo Santos, 14 anos, e Cíntia Macedo Santos, 11, do jiu-jitsu. Moradoras de Canoas, na Região Metropolitana, ganharam medalha e conseguir competir<!-- NICAID(14865654) -->
Gurias conheceram a cidade seguindo os protocolosFoto: Reprodução / Arquivo Pessoal

Novas conquistas

Nádia conta que elas optaram por ficar em Copacabana. Assim, nas folgas, puderam conhecer pontos turísticos. A família passou quatro dias no Rio e conseguiu realizar passeios e refeições sem gastar muito. As atletas utilizaram muito bem as doações: Cintia conquistou uma medalha de ouro na categoria sub-12 faixa cinza, e Alanis, uma medalha de prata na categoria infanto-juvenil sub-14 faixas laranja+verde.  

– Estava preocupada por causa da pandemia. Na volta, ficamos em casa durante uma semana, mas ninguém teve covid – diz Nádia.

LEIA MAIS:
Projeto de Gravataí busca verba para torneio realizado em Brasília
Instituições se unem para combater a fome de famílias, no bairro Bom Jesus
No lugar de lixo e insegurança, moradoras de Alvorada criam horta comunitária

Planos  

Os campeonatos de jiu-jitsu estão voltando aos poucos. Dentre os protocolos de segurança, os organizadores exigem que somente um adulto responsável acompanhe os atletas menores de idade. Ainda neste mês, a família vai para São Paulo participar de um campeonato internacional em que  Alanis terá algumas lutas desafiadoras, explica Nádia. Já em setembro, as irmãs participam de três campeonatos: dois em Porto Alegre e um em Novo Hamburgo

– A Alanis está no top do ranking. Então, a gente tem que manter (a frequência de participação), não podemos faltar em nenhuma etapa – afirma Nádia.

Além disso, Alanis está ajudando a dar o treino para os atletas mais novos na academia que a apoia. Será uma oportunidade de começar a praticar o que ela quer para a sua vida: dar aulas e ter o seu próprio projeto.

Produção: Kênia Fialho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros