Em Viamão, esgoto correndo a céu aberto gera mau cheiro e aumenta proliferação de insetos - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso05/01/2022 | 11h07Atualizada em 05/01/2022 | 11h07

Em Viamão, esgoto correndo a céu aberto gera mau cheiro e aumenta proliferação de insetos

Situação ocorre desde 2015 na Rua Nárgica Rodrigues de Castro, na Vila Augusta, atrapalhando a rotina dos moradores 

Em Viamão, esgoto correndo a céu aberto gera mau cheiro e aumenta proliferação de insetos Reprodução / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Situação segue sem solução Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Moradores da Rua Nárgica Rodrigues de Castro, na Vila Augusta, em Viamão, seguem enfrentando os transtornos causados por um esgoto correndo a céu aberto ao longo da via. O problema, que já foi apresentado em reportagens do Diário Gaúcho em 2015 e em 2020, segue presente na rotina de quem mora na localidade. A autônoma Maria Ondina Souza da Silva, 57 anos, conta que já utilizou diferentes estratégias para acionar o poder público. 

Segundo ela, há alguns anos, um grupo de moradores se reuniu para comprar canos e solicitou à prefeitura a instalação dos equipamentos. Constantemente, ela realiza contatos para comunicar a prefeitura sobre os problemas da rua, que se intensificam em dias chuvosos.

– Desde que eu vim morar aqui, há 30 anos, existe esse problema de esgoto a céu aberto. É um desleixo total, infiltra para dentro do pátio, principalmente quando chove – diz a moradora. 

LEIA MAIS
Sem telhas desde 2019, escola da Capital tem aulas prejudicadas
Leitores do DG contam seus sonhos para 2022
Grupo realiza ação de Natal para mais de 400 pessoas em comunidades de Gravataí e Cachoeirinha

Ela afirma que a questão se agravou após a Corsan fazer obras na rua, deixando o nível da via mais alto que o das casas. Assim, afirma Maria, o esgoto que corre a céu aberto passou a invadir os pátios. Por isso, a autônoma fez alterações na estrutura da sua residência, construindo um muro mais alto para diminuir as chances de invasão da água.  

– Quando reclamo para a prefeitura, eles dizem que é com a Corsan, e vice-versa – explica.

Maria Ondina reconhece que algumas ações são feitas pela prefeitura, como o patrolamento da rua. Mas, lamenta que isso não é o suficiente, uma vez que o problema do esgoto a céu aberto permanece. Além de questões como mau cheiro e proliferação de insetos, o problema tem interferido no trabalho de venda de refeições congeladas da moradora, afastando clientes:

– Todos sabem onde eu moro e, com essa situação da rua, ninguém se anima a vir comprar. Quem vai querer comprar comida ao mesmo tempo em que pisa no esgoto?

LEIA MAIS
Descarte irregular de materiais impacta esgoto no Guajuviras
Pessoas com deficiência reclamam de falta de acessibilidade na Trensurb
Gaúchas conseguem viajar e ganham mundial de Jiu-Jitsu

Chuva

Um síndico profissional que mora na mesma via e preferiu não se identificar destaca que o esgoto, junto à má conservação da rua, faz com que dias chuvosos sejam de grandes transtornos para os moradores. Segundo ele, a água costuma invadir algumas residências, podendo ficar até a altura dos joelhos. O síndico explica que diferentes moradores ligam para a prefeitura para registrar reclamações, mas que os números dos protocolos não têm sido fornecidos pelos servidores:

– É um total descaso. O acesso se torna impossível.

Prefeitura promete enviar equipes 

Em nota, a Corsan informou que esteve no local e verificou que “há despejo de esgoto pluvial de uma residência localizada uma quadra acima, que escorre pela via em frente a diversas casas”. A nota explica, então, que “não se trata de redes de esgotos sanitários, que têm recebido as manutenções necessárias”, garante a companhia. 

Já a Secretaria de Obras de Viamão informou que o local “passou por melhorias como patrolamento e ensaibramento em dezembro’’. No entanto, equipes serão enviadas para o local com objetivo de analisar os problemas do lugar e buscar soluções. Não foram informadas as datas em que essas inspeções serão realizadas.

A reportagem ainda questionou quanto aos relatos de que os números de protocolos não estariam sendo fornecidos aos moradores. A prefeitura afirma que não há registros de reclamações dos moradores daquela rua, porém não soube precisar a qual período se referia a informação.

Produção: Kênia Fialho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros