Grupo de convivência ajuda idosos a lidarem com a depressão em Canoas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saúde02/03/2020 | 05h00Atualizada em 02/03/2020 | 05h00

Grupo de convivência ajuda idosos a lidarem com a depressão em Canoas

Serviço é oferecido gratuitamente na Clínica da Saúde do Idoso

Grupo de convivência ajuda idosos a lidarem com a depressão em Canoas Fernando Gomes/Agencia RBS
Primeira vez de Mirian no grupo já foi bem animada: ela participou de um baile de Carnaval Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Quem procura uma unidade de saúde, geralmente, espera encontrar um ambiente pacato e silencioso. Essa era a expectativa da aposentada Mirian Leonardi, 72 anos, ao dirigir-se, na sexta-feira passada, até a Clínica da Saúde do Idoso, em Canoas. A ida tinha um objetivo: passar por uma sessão de auriculoterapia – ramo da acupuntura que utiliza pontos das orelhas para amenizar a dor. Porém, ao chegar para o atendimento, a idosa deparou-se com um verdadeiro baile de Carnaval. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A folia e a música alta, no ritmo da marchinha, tinha uma origem: vinha da sala do grupo de convivência para idosos. O serviço, oferecido na clínica, surgiu em meados do ano passado, devido à identificação de alta incidência de quadros clínicos de depressão nos pacientes atendidos na unidade. Em encontros semanais, que ocorrem toda a sexta-feira, das 9h às 10h, os cerca de 25 idosos que participam do grupo reúnem-se para jogar conversa fora, cantar, dançar, fazer trabalhos manuais e brincar. No último, a temática foi o Carnaval, com direito a participação do intérprete da escola de samba Rosa Dourada e ex-Rei Momo da cidade, Sidiclei Mancy, 47 anos, e da musa da agremiação, Fabiane Xavier, 32 anos. 

Segundo a equipe da unidade de saúde, os resultados da iniciativa tem sido satisfatórios.

– A depressão estava atrapalhando o tratamento clínico deles, em relação a outras doenças. Também tínhamos casos mais graves, como tentativa de suicídio. Quando a pessoa desiste de viver, não vê motivo para tomar remédios, por exemplo. Mas, depois do grupo, muitos pacientes aderiram melhor aos seus tratamentos. Outros, tiveram redução nas medicações. Além disso, a questão da ideação suicida foi superada para a maioria deles – explica a psicóloga Vivian Glauche Jaroszewski, 39 anos, uma das profissionais que acompanha a turma. 

Leia também
Ano novo e vida nova para Patrique, o "menino de titânio"
Após ter sua história contata pelo DG, Alanis ganha dois quimonos para seguir lutando
Bicas coletivas em cidades da Região Metropolitana não têm qualidade de água garantida

Mirian, que entrou de gaiato no bailinho do grupo, não se intimidou por estar participando pela primeira vez. Uma das mais animadas, divertiu-se com as músicas e até desfilou pela sala do posto de saúde, que virou um verdadeiro salão de baile. Agora, a aposentada planeja continuar frequentando os encontros e espera fazer muitas amizades:

– Achei que seria só uma consulta, não esperava encontrar essa alegria toda. Achei maravilhoso, vou voltar sempre.

Amizade

Segundo a coordenadora do grupo de convivência, a terapeuta ocupacional Bruna Borba Neves, 27 anos, a cada sexta-feira uma atividade diferente é planejada, sempre buscando proporcionar momentos de descontração para os idosos. No grupo de WhatsApp criado pela turma, quando um encontro termina, já começa a expectativa e a especulação acerca do próximo.

— Eles se sentiam sozinhos e precisavam desse espaço de convivência. Agora, toda semana ficam esperando pela sexta-feira, para virem aqui e encontrar os amigos. Nesse sentido, é muito fácil ver um antes e depois — relata a coordenadora.

Participante desde o primeiro encontro do grupo, a aposentada Nair do Nascimento, 76 anos, confirma o vínculo de amizade criado entre os integrantes. Nas raras vezes em que não comparece — o que lhe faz "uma falta terrível" — conta que todos questionam, pelo WhatsApp, o motivo da ausência. Ela, que diz amar todos os encontros — porque em cada um aprende algo diferente —, no último, teve um motivo a mais para alegrar-se: em meio ao baile de Carnaval, foi eleita a foliã mais animada, levando o título de musa do grupo. 

 CANOAS-RS- BRASIL- 28/01/2020- Musicoterapia para idosos em Canoas-  Encontro do grupo de musicoterapia oferecido na Clínica da Saúde do Idoso, em Canoas. Além do atendimento clínico, o local oferece atividades complementares, visando uma abordagem integrativa. Vera Santos, na festa de carnaval. FOTO FERNANDO GOMES/ DIÁRIO GAÚCHO.
Vera não perde os encontros por nadaFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

— Fiquei deslumbrada por ter ganhado, pois nunca havia acontecido algo assim comigo. Já vou colocar no Facebook para todos verem. Meu marido, que está na praia, vai ficar pensando: "o que é que ela está fazendo sozinha no Carnaval?" — brinca a idosa.

Para a aposentada Vera Santos, 68 anos, o espaço de convivência se tornou crucial. Ela, que procurou a Clínica da Saúde do Idoso por conta do diagnóstico de depressão, vê na atividade o caminho para uma vida melhor:

— Posso não ir a qualquer lugar, mas aqui eu não falto. Foi a melhor coisa do mundo pra nós, pois recebemos muito carinho. Algo que, às vezes, não temos fora daqui. 

Leia também
Após diagnóstico de oftalmologista, angústia de morador de Alvorada tem fim
Fila de espera do SUS cai quase pela metade em Porto Alegre, mas tempo para consulta cresce em algumas especialidades
Pronto-atendimento em saúde mental do IAPI vai fechar em março de 2020

Clínica funciona como UBS

Inaugurada em setembro de 2019, a Clínica da Saúde do Idoso oferece todos os serviços de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) — atendimento com clínicos gerais, serviços de enfermagem, entrega de medicamentos, vacinas (durante campanhas), entre outros —, exclusivamente para pessoas com mais de 60 anos. O principal diferencial, porém, está nas atividades e terapias complementares oferecidas na unidade, como o grupo de convivência.

Segundo a gestora, Fabiana Cristina Moretti, 38 anos, a Clínica atua como um apoio às unidades básicas. Ali, apesar de receberem atendimento, os pacientes não são referenciados, ou seja, continuam vinculados à UBS de origem, em seus bairros. Assim, a clínica consegue incluir usuários de todas as regiões da cidade, uma vez que o único critério para receber atendimento ou participar das atividades é a idade. 

Para cadastrar-se e, assim, poder participar do grupo de convivência e demais serviços ofertados, é preciso ir até o local (Avenida Guilherme Schell, 6.184 - Centro, Canoas) e passar pelo acolhimento, munido de documento de identificação e cartão SUS. Os cadastros são feitos de segunda a sexta, das 8h às 17h.

Confira as atividades complementares oferecidas
/// Grupo para superação do tabagismo — terças-feiras, 8h30min
/// Grupo terapêutico para idosos em processo de luto — quartas-feiras, 14h
/// Grupo de formação para cuidadores de pacientes com Alzheimer — quartas-feiras, 9h (quinzenal)
/// Grupo de convivência — sextas-feiras, 9h 

Produção: Camila Bengo

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros