Barulho de casa de bombeamento de água incomoda moradores, em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso02/09/2020 | 11h55Atualizada em 02/09/2020 | 11h55

Barulho de casa de bombeamento de água incomoda moradores, em Porto Alegre

De acordo com moradora, os ruídos metálicos ficaram incessantes a partir de fevereiro deste ano

Barulho de casa de bombeamento de água incomoda moradores, em Porto Alegre arquivo pessoal/arquivo pessoal
No local, funciona uma casa de bombeamento de água do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) Foto: arquivo pessoal / arquivo pessoal

Desde fevereiro deste ano, uma casa de bombeamento de água do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), localizada na Rua Professor Cristiano Fischer, entre os números 2.062 e 2.138, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre, tem incomodado a vizinhança. 

LEIA MAIS
"O sentimento é de estar lutando uma guerra", diz voluntário do Hospital de Clínicas sobre combate à pandemia
Más condições de rua causam incômodo a moradores do bairro Lomba do Pinheiro, na Capital
Após reportagem, projeto de distribuição de almoços passa a atender 500 pessoas ao dia

De acordo com a médica neurologista Letícia Scaranto Costa, 30 anos, moradora do condomínio ao lado há 11 anos, o som emitido pelas bombas do Dmae, que Letícia descreve como “um ruído metálico e estridente”, pode ser ouvido 24 horas por dia. 

– Não sei se, em fevereiro, aumentaram a potência das bombas ou se colocaram exaustores na parede, que amplificaram o barulho. Só sei que ficou insuportável desde então. Ele chega até a ser mais intenso de madrugada. Não pausa nunca – desabafa a médica. 

Letícia está trabalhando em casa, por conta das orientações de distanciamento social, e garante que está difícil exercer suas funções: – É horrível. O único jeito de trabalhar em casa, pela internet, é ficar com todas as janelas fechadas. Coloquei janelas acústicas nos quartos, mas, infelizmente, elas não resolveram completamente. 

Processo

A médica explica que já foram realizadas inúmeras denúncias, tanto por ela quanto por outros moradores.  Abaixoassinados, boletins de ocorrência por poluição sonora, denúncia ao Ministério Público e contato com vereadores estão na lista das medidas tomadas pela vizinhança. Letícia também tentou entrar em contato diretamente com o Dmae e recebeu a informação de que um processo administrativo foi aberto para execução de proteção acústica no local, com previsão de execução até outubro de 2020. 

Entretanto, esses prazos foram estabelecidos antes da pandemia de coronavírus, e o receio de Letícia é de que o período seja estendido por conta disso. A moradora não vê a hora de a situação ser resolvida: 

– Há um enorme prejuízo para os condôminos que moram aqui. Não há saúde mental que aguente esses longos meses de espera para uma solução. Não podemos abrir janelas para ventilar a casa sem sermos incomodados com o barulho e, mesmo com todas elas fechadas, ele persiste em nossas residências e nada podemos fazer a respeito. 

 Projeto para diminuir som foi iniciado 

Questionado, o Dmae informou que realizou obras na Estação de Bombeamento de Água Tratada ( EBAT) Cristiano Fischer para ampliar a oferta de água para bairros da Zona Leste, como São José, Vila dos Sargentos, Agronomia e Lomba do Pinheiro, que sofrem com intermitência nos meses mais quentes e de maior consumo. O departamento também explica que, com a modernização da casa de bombas e a ampliação dos equipamentos, o som pode, sim, ter aumentado, e confirma que recebeu informação do excesso de ruídos que o local estaria emitindo. 

Entretanto, o Dmae garantiu que um projeto para absorção acústica do prédio foi iniciado em agosto e está em andamento, com a instalação de material absorvente no forro e nas paredes da estação. O órgão não informou prazo para terminar o serviço. 

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros