Idosa sofre com constante falta de remédio para tratar cardiopatia, em Viamão - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso26/09/2018 | 09h24Atualizada em 26/09/2018 | 09h24

Idosa sofre com constante falta de remédio para tratar cardiopatia, em Viamão

O problema de fornecimento dos medicamentos, segundo a filha de Eloá, é recorrente. Sandra conta que os remédios já chegaram a ficar disponíveis por três meses seguidos, e voltaram a faltar

Idosa sofre com constante falta de remédio para tratar cardiopatia, em Viamão Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Além dos problemas cardíacos, Eloá também faz tratamento contra outras doenças, como bronquite crônica e asma Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Eloá Wolfat Victoria, 74 anos, convive há 14 anos com uma cardiopatia isquêmica. Ela depende do remédio ticlopidina 250mg para tratar da doença e evitar um infarto. No entanto, o remédio está em falta na Farmácia de Medicamentos Especializados de Viamão desde julho, segundo a filha dela, a segurança Sandra Guedes César, 51 anos. 

Leia mais
Em Viamão, poste no meio da via intriga leitor
Esgoto vazando há quatro anos preocupa moradores do bairro Belém Novo, na Capital
Espera por ônibus acontece no escuro, no Centro Histórico de Porto Alegre

Sandra informa que, se sua mãe não tomar o remédio, o quadro piora. 

— Ela tem que ficar baixada no hospital se não usá-lo — conta a segurança. 

Eloá também faz tratamento contra outras doenças, como bronquite crônica e asma em decorrência de enfisema pulmonar, conforme atestados. Para o tratamento destas enfermidades, a idosa utiliza o medicamento brometo de tiotrópio 2,5mg. Este remédio, segundo Sandra, também está em falta na rede pública da cidade há um mês. 

Além desses problemas, a segurança informa que sua mãe utiliza outros 15 medicamentos, dependendo unicamente da rede pública para consegui-los. Em orçamento de uma farmácia privada fornecido pela família de Eloá ao Diário, o tratamento dela com brometo de tiotrópio (três caixas) sairia por R$ 1.077.

Reincidente 

O problema de fornecimento dos medicamentos, segundo Sandra, é recorrente. Ela conta que os remédios já chegaram a ficar disponíveis por três meses seguidos, e voltaram a faltar. Ela afirma que a indisponibilidade já chegou a seis meses. 

— Sempre está em falta. Nunca consigo pegar todos — conta a segurança. 

A reincidência do problema já foi assunto de outras matérias do Diário em 2016, 2017 e no início deste ano.

Liberação ocorrerá hoje 

A Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul informou, por sua assessoria de imprensa, que o medicamento tiotrópio já foi liberado pelo almoxarifado da SES e está disponível para o município de Viamão retirar e regularizar o atendimento. 

Sobre o remédio ticlopidina, garante que o fornecedor licitado pela SES vai entregar o medicamento hoje. A partir da entrega, as secretarias municipais de Saúde serão reabastecidas. 

No entanto, a Secretaria não respondeu o porquê da falta reincidente dos produtos, informada pela leitora. 

A prefeitura de Viamão foi questionada via e-mail, telefone e WhatsApp. No entanto, não respondeu até o fechamento desta edição. A assessoria de imprensa do município se limitou a afirmar que responderá diretamente para a leitora.

*Produção: Ásafe Bueno

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros